ONU alarmada com violência contra manifestantes na Colômbia  BR

Cáli, cidade da Colômbia onde aconteceram episódios de violência durante protestos
Unsplash/Andres F. Uran
Cáli, cidade da Colômbia onde aconteceram episódios de violência durante protestos

ONU alarmada com violência contra manifestantes na Colômbia 

Direitos humanos

Protestos contra reforma tributária começaram em 28 de abril; Escritório de Direitos Humanos da ONU recebeu denúncias de pelo menos 14 mortes em diferentes partes do país. 

O Escritório da Alta Comissária para os Direitos Humanos da ONU está profundamente alarmado com a situação em Cáli, na Colômbia, onde a polícia abriu fogo contra os manifestantes que protestavam contra as reformas tributárias no país. 

Falando a jornalistas em Genebra, a porta-voz Marta Hurtado disse que o Escritório está trabalhando para verificar o número exato de vítimas e perceber como esse terrível incidente aconteceu. 

Abusos 

Defensores dos direitos humanos também relataram que foram perseguidos e ameaçados. 

Em 2 de maio, o presidente anunciou que o projeto de reforma tributária seria retirado do Congresso, mas os protestos iniciados em 28 de abril continuam
ONU News/Laura Quiñones
Em 2 de maio, o presidente anunciou que o projeto de reforma tributária seria retirado do Congresso, mas os protestos iniciados em 28 de abril continuam

Hurtado disse que o Escritório sente “profundo choque” e envia sua solidariedade aos feridos e suas famílias. 

Em 2 de maio, o presidente anunciou que o projeto de reforma tributária seria retirado do Congresso, mas os protestos iniciados em 28 de abril continuam. A maioria dos protestos até agora foi pacífica.  

Apelos 

Soldados e policiais foram destacados para patrulhar o protesto. O Escritório da ONU está pedindo calma. 

Escritório de Direitos Humanos da ONU tem recebido denúncias de pelo menos 14 mortes no contexto dos protestos em diferentes partes da Colômbia
Unsplash/Mike Swigunski
Escritório de Direitos Humanos da ONU tem recebido denúncias de pelo menos 14 mortes no contexto dos protestos em diferentes partes da Colômbia

A porta-voz lembrou às autoridades estatais sua responsabilidade de proteger os direitos humanos, inclusive o direito à vida e à segurança pessoal, e de facilitar o exercício do direito à liberdade de reunião pacífica. 

Segundo a lei internacional, os policiais devem obedecer aos princípios de legalidade, precaução, necessidade e proporcionalidade ao policiar manifestações.  

Armas de fogo só podem ser usadas como medida de último recurso contra uma ameaça iminente à vida ou lesões graves. 

Desde o início das manifestações, o Escritório de Direitos Humanos da ONU tem  recebido denúncias de pelo menos 14 mortes no contexto dos protestos em diferentes partes da Colômbia, incluindo um policial.