16 abril 2021

Alerta é do Programa Mundial de Alimentos, PMA; aumento é iminente nas regiões Ocidental e Central; causas incluem alta de preços, conflitos e impacto da pandemia; mais de 5 milhões de crianças com desnutrição aguda vivem no Sahel. 

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, pediu ação imediata para evitar que a falta de comida cause uma situação de catástrofe na África Ocidental e Central. Mais de 31 milhões de pessoas devem enfrentar insegurança alimentar na área. 

A agência alerta que a temporada de escassez vai de junho a agosto, antes da próxima colheita. 

Segurança Alimentar   

O PMA adverte que o total supera em 30% o número de vítimas em 2020 e atingirá um dos maiores níveis em uma década. A análise da Cadre Harmonisé, que avalia a segurança alimentar, foi feita em parceria com o Comitê Interestadual Permanente para o Controle da Seca no Sahel. 

OIM/Monica Chiriac
Amarcia é uma das 1,5 milhões de pessoas que foram deslocadas no Níger devido ao conflito na região central do Sahel

 

Diariamente, milhões de famílias passam fome e desespero com a alta de preços de alimentos. A emergência coincide com conflitos e consequências socioeconômicas da Covid-19. 

A análise aponta como situações mais preocupantes a da Serra Leoa, onde a desvalorização da moeda disparou os preços dos produtos básicos. O arroz chegou a aumentar até 70% no país. 

Na África Ocidental, a escalada da violência e os deslocamentos provocaram insegurança alimentar aguda no norte da Nigéria, Burquina Fasso, Mali, Níger, República Centro-Africana e em regiões do noroeste e sudoeste dos Camarões. 

FAO/Giulio Napolitano
Pastores guiam seus rebanhos no Niger, no Sahel

Vítimas  

Cerca de 10 milhões de crianças menores de cinco anos sofrem de desnutrição aguda. O Sahel concentra metade desse número, que pode aumentar devido às novas vítimas da fome e dos altos preços alimentares. 

Este ano, o PMA precisa de US$ 770 milhões para operar em 19 países da região nos próximos seis meses.  

A agência planeja assistir quase 18 milhões de pessoas na África Ocidental e Central. Pelo menos 68% estão em crise e precisam de resposta emergencial. 

A agência adverte que sem fundos haveria uma redução alimentar para os necessitados, especialmente as vítimas de fome causada pelos conflitos.   

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud