ONU marca Dia Internacional de Reflexão Sobre Genocídio de 1994 Contra os Tutsis no Ruanda
BR

7 abril 2021

Em mensagem, secretário-geral diz que as pessoas devem olhar com atenção para o mundo de hoje e garantir que aprenderam as lições de 27 anos atrás; cerimônia virtual conta com presença do presidente ruandês Paul Kagame e outras autoridades. 

Esta quarta-feira, 7 de abril, as Nações Unidas marcam o Dia Internacional de Reflexão Sobre o Genocídio de 1994 Contra os Tutsis no Ruanda. 

Há 27 anos, mais de um milhão de pessoas, na grande maioria tutsis, mas também hutu moderados, twa e outros que se opuseram ao genocídio, foram sistematicamente assassinados em menos de três meses, no país da África Ocidental. 

Memória 

Em mensagem de vídeo, o secretário-geral da ONU, António Guterres, lembrou as vítimas. 

Segundo o chefe da ONU, “aqueles dias de 1994 permanecem na nossa consciência coletiva dentre os mais horríveis da história humana recente.” 

Ele acredita que a data serve para honrar os que foram assassinados, refletir sobre o sofrimento e reconhecer a resiliência dos que sobreviveram. 

O secretário-geral afirma que as pessoas devem olhar com atenção para o mundo de hoje e garantir que aprenderam as lições de há 27 anos. 

Segundo ele, hoje, em todo o mundo, “há pessoas sendo ameaçadas por grupos extremistas determinados a aumentar as suas fileiras através da polarização social e da manipulação política e cultural.” 

Tecnologia 

O chefe da ONU ressalta que “estes movimentos extremistas representam a principal ameaça à segurança em muitos países.” 

Embora a tecnologia e as técnicas utilizadas por extremistas evoluam, Guterres diz que “as mensagens e retórica vis permanecem igual.” Além disso, “a desumanização de comunidades, a desinformação e o discurso de ódio são combustíveis para a violência.” 

O secretário-geral destacou a pandemia de Covid-19, dizendo que evidencia a urgência de lidar com profundas divisões. 

Polarização 

Ele contou que “a crise mundial de saúde afetou profundamente todo a esfera dos direitos humanos em todas as regiões, alimentando ainda mais a discriminação, a polarização social e as desigualdades, podendo todas levar à violência e ao conflito.” 

Para Guterres, impedir que a história se repita “requer combater esses movimentos movidos pelo ódio que se tornaram uma ameaça transnacional.” 

O secretário-geral afirma que este é o momento de redobrar esforços e forjar uma Agenda Comum. Isso deve ser feito defendendo os direitos humanos e com políticas que respeitem plenamente todos os membros da sociedade. 

Mulheres 

Guterres lembrou que “o Ruanda vivenciou um dos capítulos mais dolorosos da história moderna da Humanidade, mas o seu povo reconstruiu das cinzas.” 

Ele deu o exemplo das mulheres do país, que detêm agora mais de 60% dos assentos parlamentares, fazendo do Ruanda um líder mundial na área da igualdade na política.  

Segundo ele, o povo do Ruanda mostrou “o poder da justiça e da reconciliação, e a possibilidade de progresso.” 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud