ONU-Habitat quer que cidades liderem caminho para futuro mais verde após pandemia
BR

30 março 2021

Em novo relatório, agência da ONU mostra como centros urbanos duramente atingidos pela Covid-19 podem ajudar a reduzir o impacto de futuros surtos e se tornar mais equitativos, saudáveis e ecologicamente corretos.

O relatório “Cidades e pandemias: por um futuro mais justo, verde e saudável”, lançado, nesta terça-feira, descreve como as áreas urbanas têm inovado na crise Covid-19. O documento foi divulgado pelo Programa da ONU para Assentamentos Urbanos, ONU-Habitat.
 
A diretora-executiva do ONU-Habitat, Maimunah Mohd Sharif, disse que 95% de todos os casos foram registrados nas cidades nos primeiros meses da pandemia e que, ao longo da crise global, tem cabido aos governos locais e às comunidades agir de forma rápida e decisiva para impedir a propagação do vírus e garantir uma resposta eficaz.

UN/Kibae Park
As desigualdades foram ainda mais acentuadas devido a fatores como falta de acesso a serviços básicos.

Pressões 

Apesar dessas pressões, muitos governos locais e líderes comunitários agiram de forma rápida e eficaz para mitigar os efeitos da crise.
 
O relatório recomendou ações para uma recuperação sustentável com base em evidências de mais de 1,7 mil cidades.
 
Segundo o estudo,  os padrões de desigualdades devido à falta de acesso a serviços básicos, pobreza e condições de vida superlotadas, têm sido os principais fatores desestabilizadores no aumento da escala e do impacto da Covid-19.
 
O chefe de Conhecimento e Inovação da ONU-Habitat, Eduardo Moreno, informou que, por conta da pandemia, mais 120 milhões de pessoas no mundo serão lançadas para a pobreza e os padrões de vida serão reduzidos em 23%.

Unicef/Panjwani
Governos devem concentrar-se em políticas para proteger os cidadãos e garatir seus direitos básicos.

Comunidades

 
De acordo com o documento, líderes e planejadores urbanos devem repensar a forma como as pessoas circulam nas cidades, a partir das lições aprendidas no último ano. Isso inclui um maior enfoque no nível local no planejamento de bairros e comunidades multifuncionais e inclusivas.
 
O relatório descreve como um “novo normal” pode emergir nas cidades onde saúde, habitação e segurança são priorizadas para os mais vulneráveis, não apenas por necessidade social, mas também por um profundo compromisso com os direitos humanos para todos.
 
Isso exige que os governos concentrem-se em políticas para proteger os direitos sobre a terra, melhorar o acesso à água, saneamento, transporte público, eletricidade, saúde e instalações de educação e garantir conectividade digital inclusiva.

Unicef/Prinsloo
A meta deve ser uma nova economia urbana que respeite a natureza e reduza os riscos de desastres naturais.

Baixo carbono

 
O relatório recomenda fortalecer o acesso ao financiamento municipal para permitir que os líderes das cidades construam uma nova economia urbana que reduza o risco de desastres, bem como abordar as mudanças climáticas, desenvolvendo soluções baseadas na natureza e investindo em infraestrutura sustentável para permitir o transporte de baixo carbono.
 
O documento deixa claro que a maneira como os ambientes urbanos se recuperam da pandemia terá um grande impacto no esforço global para alcançar um futuro sustentável para todos em linha com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU usará parâmetro para medir papel da natureza em prosperidade e bem-estar

Decisão da Comissão de Estatística, a maior autoridade das Nações Unidas em padrões internacionais de mensuração, anunciou que novo quadro econômico e ambiental deve reformular decisões e políticas para ação climática e desenvolvimento sustentável.

ONU: mundo deve usar urbanização para benefícios das pessoas e do planeta

Dia Mundial da Habitação, marcado neste 5 de outubro, ressalta situação de moradores de assentamentos informais e sem condições apropriadas e serviços básicos; para atender demanda global de moradias até 2030, seria preciso construir mais de 96 mil unidades habitacionais todos os dias.