Preconceito com pessoas na terceira idade gera perdas de dezenas de bilhões de dólares
BR

18 março 2021

Organização Mundial da Saúde e outras agências da ONU afirmam que estereótipos, percepções negativas e outras formas de discriminação, conhecidas como “ageism” em inglês, causam isolamento social dos idosos e agravam sua saúde; entidades querem ação urgente para combater o problema.

As Nações Unidas lançaram um relatório advertindo sobre o impacto do preconceito à terceira idade em instituições e sistemas jurídico, social e de saúde.

O documento foi divulgado pelo Fundo de População das Nações Unidas, Unfpa, pelo Departamento Econômico e Social, Desa, pela Organização Mundial da Saúde e pelo Escritório da ONU para os Direitos Humanos.

Unicef/Preena Shrestha
Mulheres mais velhas, em particular, enfrentam desafios e preconceitos adicionais devido às atitudes preconceituosas e à discriminação. Na foto, mulher de 69 anos caminha por uma vila no Nepal

Violação

Estima-se que a cada segundo, uma pessoa no mundo sofra preconceito “moderado ou alto” por se encontrar na terceira idade.

A alta comissária de Direitos Humanos, Michelle Bachelet, afirmou que o preconceito a idosos, conhecido em inglês como “ageism”, prejudica a todos: jovens e idosos.  Ela pediu um combate tenaz ao problema, que classificou de “uma violação fundamental de direitos humanos”.

Para Bachelet, a discriminação a pessoas na terceira idade é quase sempre aceita e abrangente em políticas, legislações e instituições.

Unrwa/Khalil Adwan
Funcionários da saúde em Gaza entregam medicamentos nas casas de idosos palestinos refugiados.

Alto preço

O estudo revela que o preço da discriminação aos idosos é alto. No ano passado, os Estados Unidos calcularam um custo de US$ 63 bilhões anuais com pessoas acima de 60 anos por causa de estereótipos. 

Na Austrália, se 5% a mais de pessoas com 55 anos ou mais velhas tivessem empregadas, haveria um acréscimo de 48 bilhões de dólares australianos à economia, o equivalente a quase US$ 38 bilhões.

O relatório nota que em locais de trabalho, jovens e idosos estão, frequentemente, em desvantagem. E para os mais velhos, as oportunidades de treinamento são menores. Já o preconceito aos mais jovens ocorre nas áreas da saúde, da habitação e políticas que ignoram seus anseios.

MSF/Olmo Calvo
Intervenção em lar de idosos em Espanha

Discriminação dupla

O estudo mostra que a resposta ao Covid-19 demonstrou como o preconceito está amplamente divulgado com estereótipos criados na mídia social. No caso dos idosos, a discriminação é usada como critério único para acesso aos cuidados de saúde, tratamentos vitais e isolamento social.

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, diz que o mundo tem que se livrar desses estereótipos ao sair da crise de saúde global impedindo que a discriminação atrapalhe o acesso das pessoas à saúde, à dignidade e ao bem-estar.

Já a chefe do Unfpa, Natalia Kanem, afirma que é preciso tornar a crise da pandemia um momento de mudança sobre a forma como os idosos são vistos e tratados. Para ela, pessoas na terceira idade sofrem uma discriminação dupla que inclui fatores como pobreza, gênero, deficiências e minorias.

ONU/Evan Schneider
Diretor-geral da OMS diz que o mundo tem que se livrar desses estereótipos ao sair da crise de saúde global

Estratégias

O relatório sugere estratégias para combater o racismo como a necessidade de políticas e legislações que enfrentem o tema, com ações educativas que levam a mais empatia e à desconstrução de concepções errôneas. 

O documento cita ainda atividades entre as gerações para reduzir o preconceito com a terceira idade.

As agências da ONU dizem que todos os países e partes interessadas devem lançar mão de estratégias que melhorar a coleta de dados e a pesquisa. 

A meta é uma cooperação multilateral para mudar mentalidades e a forma de enxergar, sentir e agir com relação ao envelhecimento. Com isso, o mundo deverá obter mais progressos na Década da ONU sobre Envelhecimento Saudável.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU marca Dia de Zero Discriminação em meio a aumento de desigualdade global 

Data liderada pela Unaids celebra diversidade e revela que discriminação e desigualdades estão intimamente ligadas; agência afirma que Covid-19 atinge mais as pessoas vulneráveis; desafios com distribuição de vacinas exemplificam desigualdades entre povos e países. 

Covid-19 evidenciou necessidade de se proteger direitos humanos para todos

Em mensagem sobre Dia dos Direitos Humanos, secretário-geral António Guterres disse que “divisões, autoritarismo e nacionalismos” não ajudam no combate à ameaça global; ele pediu solidariedade e ação coletiva para uma melhor recuperação da pandemia e um melhor futuro para todos.