No Dia Internacional da Mulher, Guterres ressalta liderança feminina no combate à pandemia 
BR

8 março 2021

Para o secretário-geral, “é hora de construir um futuro igualitário” e “este é um trabalho de todos e para benefício de todos”; mais de 70% dos trabalhadores do setor de saúde são mulheres. 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que a pandemia de Covid-19 “apagou décadas de avanços para a igualdade de género”. 

Em mensagem sobre o Dia Internacional da Mulher, marcado em 8 de março, o chefe da ONU destaca a perda de empregos, a explosão de cuidados não remunerados, a escolaridade interrompida e uma crise crescente de violência doméstica e exploração. 

Consequências 

António Guterres afirmou que “as vidas das mulheres foram destruídas e os seus direitos erodidos.” Segundo ele, “as consequências vão durar muito mais do que a pandemia.” 

Esse ano, o tema do dia internacional é “Mulheres na liderança: Alcançando um futuro com igualdade num mundo de Covid-19". De acordo com a Organização Mundial da Saúde, OMS, mais de 70% dos trabalhadores do setor de saúde são mulheres. 

Durante a pandemia, elas são trabalhadoras essenciais para manter as pessoas vivas e manter as economias, comunidades e famílias unidas.  Também estão entre os líderes que têm mantido os níveis de prevalência mais baixos e os países no caminho da recuperação.   

Em sua mensagem, Guterres destaca o poder transformador da participação feminina, dizendo que isso pode ser visto nas Nações Unidas, que alcançou a paridade de género em cargos de liderança pela primeira vez na sua história.  

Segundo ele, a organização está “a assistir à uma ação ainda mais concertada para garantir a paz, o desenvolvimento sustentável e os direitos humanos.” 

Contributo 

Para o secretário-geral, “os factos são claros.”  

Quando as mulheres lideram no governo, existem maiores investimentos em proteção social e avanços contra a pobreza.  Quando estão no Parlamento, os países adotam políticas de alterações climáticas mais rigorosas. Quando estão na mesa de negociação de paz, os acordos são mais duradouros.  

Guterres afirma que “num mundo dominado por homens com uma cultura dominada por homens, a igualdade de género é essencialmente uma questão de poder.” Segundo ele, “os homens são uma parte essencial da solução.” 

Ele apelou ainda aos países, empresas e instituições que adotem medidas e cotas especiais para promover a participação igualitária das mulheres e alcançar mudanças rápidas.  

Unicef/Evgeniy Maloletka
Segundo OMS, mulheres representam cerca de 70% dos trabalhadores de saúde

Oportunidade 

O secretário-geral disse que, à medida que o mundo se recupera da pandemia, os pacotes de apoio e estímulo devem ser direcionados especificamente às mulheres e meninas, inclusive por meio de investimentos em empresas pertencentes a mulheres e na economia de prestação de cuidados.  

Para Guterres, a recuperação constitui a “oportunidade de deixar para trás gerações de exclusão e de desigualdades.” 

Seja a gerir um país, uma empresa ou um movimento popular, o secretário-geral diz que “as mulheres estão a fazer contribuições que ajudam todos e impulsionam o progresso em direção aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.” 

Para o chefe da ONU, “é hora de construir um futuro igualitário” e “este é um trabalho de todos e para benefício de todos.” 

 

Para marcar este Dia Internacional da Mulher em 8 de março, a ONU News realiza um especial sobre a liderança feminina e o papel das mulheres na linha de frente do combate à Covid-19. O especial traz profissionais de saúde no terreno, autoridades e líderes em Moçambique, Angola, Brasil, Timor-Leste, Portugal e outras nações de língua portuguesa.  

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Sem mortes, Timor-Leste cita poder das parcerias contra o coronavírus 

Ministra da Saúde realça que país não pode baixar a guarda, mesmo tendo ficado sem registar infecções durante três meses; 109 casos foram notificados em um ano; ação com parceiros quer eliminar fragilidades enquanto se espera chegada de vacinas.