O papa Francisco foi recebido pelo primeiro-ministro iraquiano Mustafa Al-Kadhimi ao chegar a Bagdá.

Papa chega ao Iraque para primeira visita oficial desde início da pandemia  BR

Escritório do PM do Iraque
O papa Francisco foi recebido pelo primeiro-ministro iraquiano Mustafa Al-Kadhimi ao chegar a Bagdá.

Papa chega ao Iraque para primeira visita oficial desde início da pandemia 

Cultura e educação

Em comunicado, Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, afirma que líder da Igreja Católica Apostólica Romana ajudará a promover diversidade na histórica cidade de Mossul e levar uma mensagem de paz. 

A Unesco espera que a visita do papa Francisco ao Iraque, iniciada esta sexta-feira, leve uma mensagem de apoio e esperança não só aos iraquianos, mas a toda a região. 

A agência da ONU lembra que a cidade de Mossul é marcada pelo sofrimento dos moradores, que durante 36 meses enfrentaram violência e opressão com a ocupação do local por extremistas. Já a terceira maior cidade do país, a antiga cidade bíblica de Nínivie, é famosa pelo patrimônio cultural e religioso secular. 

Diversidade  

Visita papal pretende ncorajar o fim da violência e extremismo e promover diálogo inter-religioso

A primeira visita do papa Francisco ao Iraque deve encorajar o fim da violência e extremismo, a promoção do diálogo inter-religioso ea diversidade. 

A agenda do pontífice inclui encontros com um clérigo muçulmano xiita e um serviço religioso agendado para um estádio em Irbil, também no norte. 

A diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, disse que através da educação e da cultura “os iraquianos poderão retomar o controle de seu destino e se tornarem atores na renovação nacional”. 

Resiliência

Para o caso da visita papal a Mossul, a agência recorda que houve grande comoção dos habitantes da cidade que não sabiam o que fazer com a quase destruída Mesquita Al Nouri e o minarete Al Hadba no outono de 2019. 

A Unesco mobilizou a comunidade internacional para se solidarizar com o que considera “resiliência de um povo inextricavelmente ligado a mais de 2 mil anos de história”.  

Mossul, no Iraque, após um ataque suicida.
Acnur/Ivor Prickett
Mossul, no Iraque, após um ataque suicida.