Enviada especial da ONU alerta sobre risco de “guerra real” em Mianmar 
BR

4 março 2021

Christine Schraner Burgener afirma que golpe militar no país do sudeste da Ásia ameaça estabilidade em toda a região; comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, quer fim imediato de repressão violenta a manifestantes; dezenas já foram mortos em protestos de rua. 

A enviada especial da ONU a Mianmar, Christine Schraner Burgener, alertou na quarta-feira que a situação no país ameaça “a estabilidade da região” e pode levar a uma “guerra real”. 

Falando a jornalistas em Nova Iorque, ela citou as 38 mortes, em 3 de março, considerado o dia mais sangrento desde o novo golpe militar em 1º de fevereiro. 

Isolamento 

Schraner Burgener disse a representantes do Exército birmanês que os Estados-membros da ONU e o Conselho de Segurança poderiam tomar "medidas fortes". Nesta quinta-feira, os países do órgão se reúnem para debater o tema. 

A enviada da ONU informou que a resposta dos militares a ela foi de que estão "acostumados” e sabem sobreviver a sanções. Além disso, eles não demonstraram preocupação com a possibilidade de isolamento internacional. 

Foto ONU/Loey Felipe
Enviada especial da ONU para Mianmar, Christine Schraner Burgener

Mianmar, a antiga Birmânia, já passou por vários golpes de Estado. Após a vitória do partido de oposição, Liga Nacional pela Democracia, NLD, nas eleições de 1989, o Exército prendeu a líder do partido e ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, que voltou à prisão no último golpe do mês passado.  

Os militares dizem que as últimas eleições legislativas, de 2020, que deram vitória ao partido de Suu Kyi foram alvo de fraude, mas a Comissão Eleitoral do país discorda e diz que o pleito foi limpo e justo. 

Comunidade internacional 

A enviada da ONU contou que segue em contato com parlamentares eleitos e outras partes em Mianmar. Para ela, a participação da comunidade internacional é fundamental nessa hora. 

Nesta quinta-feira, a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, disse que as forças de segurança em Mianmar devem “parar a violenta repressão aos manifestantes pacíficos.” 

Bachelet está “chocada com os ataques documentados contra equipes médicas de emergência e ambulâncias que socorrer os feridos.” 

O Escritório de Direitos Humanos da ONU confirmou a informação de que pelo menos 54 pessoas foram mortas por policiais e militares desde 1º de fevereiro. 

O número real de mortos, no entanto, pode ser muito maior. 

Unsplash/Kyle Petzer
Cidade de Yangon, em Mianmar, onde militares tomaram o poder

Detenções 

Desde 1 de fevereiro, mais de 1,7 mil pessoas foram arbitrariamente presas em protestos ou atividades políticas, incluindo deputados, ativistas, funcionários eleitorais, escritores, jornalistas e defensores dos direitos humanos. 

O número de prisões e detenções arbitrárias subiu nos últimos dias. Somente na quarta-feira, foram 700 pessoas.  

Bachelet também expressou preocupação com a perseguição de jornalistas. Pelo menos 29 profissionais de comunicação foram presos e pelo menos oito indiciados por crimes como incitamento à oposição, ódio ao governo ou participação em evento ilegal. 

A chefe de direitos humanos pediu a todos “com informação e influência” que apoiem os esforços internacionais para responsabilizar os líderes militares pelas graves violações dos direitos humanos cometidas.  

Segundo ela, “este é o momento de virar a mesa por justiça e acabar com o domínio militar sobre a democracia em Mianmar.” 

Unicef/Minzayar Oo
Secretário-geral faz declaração sobre violência em Mianmar

Crianças 

Com a escalada da crise, o número de crianças mortas, feridas ou detidas arbitrariamente pelas forças de segurança também subiu. 

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, informa que em 3 de março, pelo menos cinco crianças e vários jovens e adultos foram mortos. Quatro crianças ficaram gravemente feridas. 

Muitas crianças estão sendo expostas a gás lacrimogêneo e granadas de choque, algumas estão vendo pais e parentes serem vítimas de violência.  

Muitos dos presos ou detidos estão incomunicáveis, sem acesso a um advogado, o que caracteriza uma violação de seus direitos humanos. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU diz que mundo deve enviar “sinal claro” contra golpe militar em Mianmar

Em nota, secretário-geral condenou “fortemente” repressão violenta que causou pelo menos 18 mortes; António Guterres afirmou que uso de força letal com manifestantes pacíficos é inaceitável; junta militar tomou o poder em 1 de fevereiro após a vitória do partido de oposição, NLD, nas eleições.