Cultivo do tabaco ameaça biodiversidade e pode causar deflorestação
BR

22 fevereiro 2021

Estudo da Organização Mundial da Saúde destaca riscos de saúde que pairam sobre agricultores, suas famílias e meio ambiente; África é novo palco de cultivo da planta; regulação do mercado é menos exigente.

O cultivo do tabaco constitui uma séria ameaça à biodiversidade e provável causa de deflorestação e desertificação em muitos países, informa a Organização Mundial da Saúde, OMS, em relatório sobre a produção e comércio do tabaco em África.

O documento realça tendências no cultivo e produção do tabaco, bem como o comércio dos seus derivados, como o cigarro. O seu cultivo provoca erosão do solo e perdas substanciais e irreversíveis de árvores e outras espécies florestais.

Danos

Nos últimos anos, o foco do cultivo do tabaco mudou para África e acredita-se que as razões estejam ligadas ao ambiente de regulação mais favoráveis e uma crescente demanda do produto. Cerca de 1.77% do PIB de Moçambique advém da exportação do tabaco e Timor-Leste investe 1.03% do PIB para importar cigarro. 

De acordo com a OMS, a epidemia do tabaco é uma das maiores ameaças à saúde pública que o mundo já enfrentou
OMS/Marcelo Moreno
De acordo com a OMS, a epidemia do tabaco é uma das maiores ameaças à saúde pública que o mundo já enfrentou

A terceira edição do Relatório Global da OMS sobre Tendências na Prevalência do Consumo de Tabaco 2000-2025 indica que na Região Africana os usuários adultos aumentaram de 64 milhões em 2000 para 73 milhões em 2018. A nível global, as cifras registaram um declínio de 60 milhões no mesmo período. 

Exposição

Quanto ao consumo, o número permanece ainda menor do que na maioria das outras regiões, embora tenha estado a aumentar em muitos países devido ao que se pensa ser um agressivo marketing da indústria. Os prejuízos são bem conhecidos, mas os riscos que a produção impõe sobre os agricultores, a família e o meio ambiente são pouco discutidos ou documentados.

Os riscos de saúde a que os cultivadores são expostos incluem “a doença de tabaco verde”. A patologia é causada pela nicotina que a pele absorve durante o tratamento das folhas molhadas, o uso pesado de pesticidas e a exposição ao pó do tabaco, avança o relatório. 

No âmbito socio económico, o relatório destaca arranjos contratuais que deixam os agricultores sempre presos ao círculo vicioso de dívida e incapazes de conseguir um preço justo. Como exemplo, o estudo aponta caso de crianças pobres que em alguns países trabalham em detrimento das aulas para aumentar a renda da família.

O consumo global de tabaco caiu 33% desde 2000, mas a obesidade adulta está aumentando
Unsplash/Fotografierende
O consumo global de tabaco caiu 33% desde 2000, mas a obesidade adulta está aumentando

Controle

Para a OMS, o tabaco é uma ameaça a muitos recursos da terra. Seu impacto é sentido de maneiras que vão além dos efeitos da fumaça liberada no ar e o seu cultivo destrói o ambiente e ameaça a saúde. 

A organização reitera também o compromisso em apoiar os Estados-membros na provisão de alternativas económicas viáveis, a proteção do meio ambiente e a saúde das pessoas. Em 2018, mais de 3.5 milhões de hectares de terra foram plantados.

Em nota, o diretor do Departamento da Promoção da Saúde da OMS, Ruediger Krech disse que o relatório vai ajudar os legisladores, pesquisadores e defensores da saúde pública a aumentar a consciência sobre a produção e o comércio do tabaco na África.

Ruediger sublinhou também a necessidade de se utilizar o conhecimento para defender a aceleração da implementação de medidas de controle do tabaco.
 

 *Amatijane Candé, de Bissau para a ONU News. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud