Moçambique: Unfpa atua para que ninguém seja esquecido entre afetados pelo ciclone  
BR

3 fevereiro 2021

Há mais de 78 mil mulheres e raparigas afetadas pelo recente temporal; 63 mil são mulheres em idade reprodutiva e 15 mil adolescentes entre 10 e 14 anos; a agência da ONU quer urgência para evitar mortes maternas e gravidez indesejada. 

O Fundo das Nações Unidas para a População, Unfpa, uniu-se aos esforços liderados pelo Governo de Moçambique para avaliar os danos causados pelo ciclone Eloise na área central do país.

A representante da agência em Moçambique, Andrea Wojnar, disse à ONU News em Maputo que as mulheres não param de dar à luz e os riscos de violência baseada no gênero aumentam durante situações de emergência como conflitos e desastres. 

Necessidades

A chefe do Unfpa em Moçambique citou a importância da coleta de dados para análise do impacto do ciclone, além das necessidades de saúde e proteção de mulheres e meninas.

“Cerca de 79 mil raparigas e mulheres com idades entre 10 e 49 anos foram afetadas pelo ciclone Eloise. Isso representa um risco por causa de gravidez não desejada e do crescimento da violência baseada no gênero. Já disponibilizamos 22 tendas que poderão servir como centro médico temporário.” 

Em situação que agrava a vulnerabilidade das mulheres e meninas em situações de desastres naturais, os centros de saúde foram totalmente destruídos. Elas vivem em centros de acomodação onde a proteção e as necessidades de saúde são difíceis. 

Para dar resposta às necessidades urgentes de mulheres, meninas e das pessoas mais vulneráveis, o Unfpa disponibilizou suprimentos antes do ciclone Eloise. 

Uma das novas tendas fornecidas pelo Unfpa Moçambique para cuidados de saúde, que salvam vidas de mulheres e meninas afetadas pelo ciclone
Unfpa Moçambique/Epidauro Manjate
Uma das novas tendas fornecidas pelo Unfpa Moçambique para cuidados de saúde, que salvam vidas de mulheres e meninas afetadas pelo ciclone

Suprimentos 

Para além de 22 tendas, foram entregues 2,5 mil “Kits Dignidade” com itens essenciais para mulheres e raparigas vulneráveis como produtos de higiene. Os artigos incluem sabonetes, roupa íntima, máscaras faciais, absorventes higiênicos reutilizáveis e suprimentos de prevenção e infeção da Covid-19. 

Entre os vários desafios, o Unfpa aponta a necessidade de olhar para a questão das mudanças climática. A representante citou a recente Cimeira de Adaptação Climática cujo tema chave foi “Uma crise climática é uma crise humanitária.”  
Andrea Wojnar apela ao investimento na resiliência das populações em particular nas mulheres e meninas.  
 
“Nós sabemos que cada ano mais de 25 milhões de pessoas são afetadas pelas situações humanitárias. Se a mudança climática continua, este número poderá aumentar. Em 2050, 200 milhões de pessoas poderão precisar de ajuda humanitária anualmente devido a desastres relacionados ao clima”.

O Unfpa uniu-se aos esforços liderados pelo Governo de Moçambique para avaliar os danos causados pelo ciclone Eloise na área central do país
UNFPA Moçambique
O Unfpa uniu-se aos esforços liderados pelo Governo de Moçambique para avaliar os danos causados pelo ciclone Eloise na área central do país

Investimento 

O centro de Moçambique foi atingido por uma onda de ciclones e tempestades tropicais nos últimos dois anos. Dos ciclones Idai ao Eloise, as ameaças climáticas são reais. 

O Unfpa adotou o lema “Não podemos deixar ninguém para trás” na resposta ao desafio no qual considera pertinente investir na resiliência de comunidades vulneráveis. 

Mulheres, meninas e jovens estão entre as prioridades da agência que envolvem estabelecer espaços seguros temporários para os afetados pelo ciclone, prevenir a transmissão da Covid-19 entre trabalhadores de saúde e deslocados. 

Moçambique é o terceiro país no continente com alta vulnerabilidade aos riscos de desastres e o sexto no mundo com uma das maiores taxas de casamento prematuro. 

De Maputo para ONU News, Ouri Pota

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud