Nacionalismo de vacinas pode custar até US$ 9,2 trilhões à economia global 
BR

26 janeiro 2021

Novo relatório, citado pela OMS, destaca impacto econômico da desigual da imunização contra Covid-19; mundo deve atingir 100 milhões de casos esta semana; festival de cinema quer mostrar histórias reais por trás dos números.  

O nacionalismo de vacinas contra a Covid-19 pode custar até US$ 9,2 trilhões à economia global. Quase metade desse prejuízo, US$ 4,5 trilhões, seria registrado nas economias mais ricas. A expressão foi criada para descrever quando um país financia somente da imunização de seus cidadãos sem cooperar com a vacinação em outras partes do mundo. 

A informação faz parte de um estudo destacado esta segunda-feira pelo diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS. 

Investimento 

Tedros disse que saúde e economia estão intimamente conectadas, OMS/Christopher Black

Falando a jornalistas em Genebra, Tedros Ghebreyesus lembrou que o déficit de financiamento para o acelerador de acesso às ferramentas contra a Covid-19, Acelerador ACT, é cerca de US$ 26 bilhões. 

Segundo Tedros, “se totalmente financiado, o Acelerador ACT retornaria até US$ 166 para cada dólar investido.” 

O diretor-geral afirmou que “o nacionalismo de vacinas pode servir a objetivos políticos de curto prazo, mas é do interesse econômico de médio e longo prazos de cada nação apoiar a equidade da vacina.” 

O chefe da OMS disse ainda que “a pandemia lembrou a todos que saúde e economia estão intimamente conectadas.” 

O estudo foi encomendado pela Fundação de Pesquisa da Câmara Internacional de Comércio, que representa mais de 45 milhões de empresas em mais de 100 países. 

Emprego 

Tedros destacou ainda um relatório da Organização Internacional do Trabalho, OIT, que analisa o impacto da pandemia no mercado de trabalho global. 

A pesquisa conclui que 8,8% das horas de trabalho globais foram perdidas no ano passado, resultando em uma queda na renda global do trabalho equivalente a US$ 3,7 trilhões. 

O relatório projeta que a maioria dos países se recuperará no segundo semestre de 2021, dependendo da implementação da vacinação. 

Líbano, apoiado pelo Banco Mundial, também começou vacinação contra Covid-19, Banco Mundial/Mohamed Azakir

Para Tedros, essas duas pesquisas mostram que o nacionalismo de vacinas “não seria apenas um fracasso moral, seria também um fracasso econômico.” 

Concurso 

Há um ano, menos de 500 casos de Covid-19 tinham sido notificados à OMS, incluindo apenas 23 casos fora da China. Essa semana, o mundo deve atingir 100 milhões de casos. 

Tedros disse que “os números podem ser desumanos, mas atrás de cada dígito está uma pessoa, uma história.” 

A OMS quer ajudar a retratar essas vidas por meio do Festival de Cinema Saúde para Todos. No ano passado, quase mil 300 filmes foram enviados de todo o mundo. 

Este ano, a agência abriu inscrições em três categorias: cobertura universal de saúde, emergências de saúde e melhor saúde e bem-estar. 

Os candidatos têm até 30 de janeiro para enviar seus vídeos. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

OMS: África corre risco de ser esquecida na distribuição de vacinas contra Covid

Agência da ONU divulgou comunicado sobre acordos bilaterais que estão elevando preço dos imunizantes; apesar de mais de 50 países de renda alta terem iniciado imunização, uma nação africana de baixa renda, Guiné-Conacri, teria conseguiu vacinar apenas 25 pessoas até agora.