Preço dos alimentos em tendência de alta pelo sétimo mês consecutivo 
BR

7 janeiro 2021

Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, afirma que aumento, em dezembro, foi puxado por derivados do leite e óleos vegetais; valor subiu 2,2% se comparado ao preço dos alimentos em novembro de 2020; aumento de produção do açúcar no Brasil e na Índia. 

O Índice de Preços dos Alimentos em dezembro foi de 107.5 pontos ou 2,2% mais caro que o valor da cesta básica em novembro. 

A informação é da Organização da ONU para Alimentação e Agricultura, FAO. Dezembro registrou a sétima alta consecutiva de preço, puxada pelos derivados do leite e oleaginosas. 

Exportações de arroz ficaram 8,6% mais caras em 2020 que no ano anterior, ONU/Kibae Park

Américas do Sul e do Norte 

Em 2020, o índice que analisa a variação de preços a cada mês, no mercado internacional, chegou a 97.9 pontos, um aumento de 3,1% desde a alta de 2019.  

No mês passado, os preços de exportação de arroz, milho, trigo e sorgo subiram, em parte por causa das preocupações com as estimativas de colheitas nas Américas do Norte e do Sul assim como na Rússia. 

Na média anual, as exportações de arroz ficaram 8,6% mais caras em 2020 que no ano anterior. Já o milho e o trigo subiram 7,6% e 5,6%, respectivamente. 

O preço do óleo aumentou 4,7% no mês passado atingindo o mais alto nível desde setembro de 2012.  

Carne 

Relatório apresenta variações mensais de grupos de alimentos, Banco Mundial/Maria Fleischmann

O óleo de soja sofreu com greves prolongadas na Argentina. Com isso, o índice disparou para 19,1%. 

Os derivados de leite subiram 3,2% no mês passado com a sétima alta consecutiva. A demanda de importação global levou a preocupações sobre condições mais secas e quentes na produção de leite da Oceania assim como a demanda interna na Europa Ocidental.  Mas a média anual é de 1% de aumento se comparado a 2019. 

A carne também ficou mais cara 1,7% em dezembro. As aves tiveram um aumento de importação especialmente do Oriente Médio com aumento nas vendas domésticas em países produtores chave. Os surtos de gripe aviária na Europa provocaram um efeito adverso. 

Brasil e Índia 

Já o valor cobrado pela carne de porco teve leve queda por causa da suspensão das exportações alemãs para os mercados asiáticos devido aos surtos de febre suína africana. 

Uma outra queda no índice de preço dos alimentos ocorreu com o açúcar que baixou 0,6% em dezembro.  

Na média anual, houve um aumento de 1,1% em comparação com 2019 após uma grande alta de importações pela China e o aumento da demanda por açúcar refinado da indústria alimentar da Indonésia, ainda que a pressão de alta tenha sido contida pelas melhoras na produção de açúcar no Brasil e na Índia.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

FAO confirma tendência de alta no preço dos alimentos em outubro 

Agência da ONU diz que produção menor do açúcar no Brasil e na Índia levou a subida de 7,6% no índice de preços; redução na safra de cereais este ano deve atingir recorde; alta mensal foi a quinta consecutiva.