Especialista pede fim de sanções dos EUA à Síria para permitir reconstrução 
BR

29 dezembro 2020

Relatora diz que economia do país árabe já está bastante afetada pelo conflito, que começou em 2011; segundo Alena Douhan, sanções americanas são as maiores já aplicadas contra a Síria. 

A especialista em direitos humanos da ONU*, Alena Douhan, pediu aos Estados Unidos que suspendam sanções contra a Síria, o que segundo ela dificulta a reconstrução do país. A infraestrutura foi destruída pelos combates entre forças da oposição e tropas do governo. 

Em comunicado, Alena Douhan afirmou que “as sanções violam os direitos humanos do povo”. O conflito sírio começou em 2011. 

Criança em Alepo, na Síria, onde o conflito já dura há quase 10 anos, PMA/Khudr Alissa

Reconstrução 

Douhan é relatora especial da ONU sobre o impacto negativo de medidas coercivas unilaterais sobre os direitos humanos. Segundo ela, “o conflito e a violência já tiveram um impacto terrível”, danificando casas, unidades médicas, escolas e outras instalações. 

A nova legislação, conhecida como Lei César, entrou em vigor em junho e contém as sanções mais abrangentes dos Estados Unidos contra a Síria. 

Estrangeiros ajudando na reconstrução do país e até mesmo funcionários de empresas estrangeiras e agentes humanitários podem ser afetados. 

A especialista disse que está preocupada com o agravamento da situação principalmente durante a pandemia. 

População 

Ao anunciar as primeiras sanções, o governo americano disse que elas não eram contra a população, mas para a relatora, “a aplicação da lei pode piorar a crise humanitária, privando o povo sírio da chance de reconstruir sua infraestrutura básica.” 

Ajuda sendo entregue na Síria durante pandemia, Naçoes Unidas

Para Alena Douhan, o mais alarmante “é a forma como as medidas atacam os direitos humanos, incluindo os direitos à moradia, saúde e um padrão de vida e desenvolvimento adequados.” Ela disse ainda que “o governo dos Estados Unidos não devem criar obstáculos à reconstrução de hospitais porque a falta de assistência médica ameaça o próprio direito à vida.” 

Ajuda humanitária 

Pelas novas sanções, o Tesouro dos Estados Unidos aponta o Banco Central da Síria sob suspeita de lavagem de dinheiro.  

Para a especialista, isso “claramente cria obstáculos desnecessários no processamento da ajuda externa e no manejo das importações humanitárias.” 

Douhan diz quando as pessoas são forçadas a viver em circunstâncias degradantes e desumanas, isso pode “afetar sua integridade física e mental e, em algumas circunstâncias, equivale a um tratamento cruel, desumano ou degradante.” 

 

*Os relatores de direitos humanos são independentes das Nações Unidas e não recebem salário por sua atuação. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Paulo Sérgio Pinheiro, presidente da Comissão de Inquérito sobre a Síria

Foi lançado nesta terça-feira, 6 de março, o novo relatório da Comissão de Inquérito sobre a Síria, grupo criado pelas Nações Unidas. O documento é baseado em 500 entrevistas, cobrindo o período de julho de 2017 a janeiro deste ano.