Unicef distribuiu suprimentos, mas declarou que ainda não é o suficiente

Mais de 2,3 milhões de crianças precisam de ajuda em Tigray, Etiópia  BR

© Unicef/Tanya Bindra
Unicef distribuiu suprimentos, mas declarou que ainda não é o suficiente

Mais de 2,3 milhões de crianças precisam de ajuda em Tigray, Etiópia 

Ajuda humanitária

Nações Unidas reiteram que serviços básicos devem ser retomados na região; Unicef quer acesso total para auxílio em grande escala; após avaliação preliminar, especialista estimam que número de vítimas aumente.  

As Nações Unidas revelaram que agências humanitárias na região etíope de Tigray relatam “grande escassez” de alimentos, água, combustível, dinheiro e eletricidade, bem como de serviços de telecomunicações e outros suprimentos essenciais. 

A ONU elogiou a restauração da eletricidade na capital de Tigray, Mekelle mas espera a retomada de todos os serviços básicos. Após uma semana, chegou ao fim uma avaliação na região no norte do país, palco de combates entre forças regionais e o Exército da Etiópia. 

Necessitados  

De acordo com a ONU, o corte das comunicações dificultou a busca de informações e a oferta de serviços humanitários básicos aos necessitados. Estima-se que 63 mil pessoas tenham sido deslocadas, mas o número pode ser maior. 

 Refugiados etíopes que fogem de confrontos na região de Tigray, no norte do país, descansam e cozinham perto do centro de recepção Hamdayet do Acnur, após cruzarem para o Sudão.
Acnur/Hazim Elhag
Refugiados etíopes que fogem de confrontos na região de Tigray, no norte do país, descansam e cozinham perto do centro de recepção Hamdayet do Acnur, após cruzarem para o Sudão.

 

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, anunciou que na região existem cerca de 2,3 milhões de crianças sem assistência humanitária por causa da violência desde novembro. 

A agência expressou extrema preocupação com os atrasos no acesso “que agravarão a situação”. A prioridade inclui a entrega de alimentos, incluindo tratamentos contra desnutrição infantil, além de medicamentos, água, combustível e outros itens essenciais. 

O Unicef quer prioridade para a proteção dessas crianças, muitas delas refugiadas e deslocadas internas, com o fornecimento de ajuda humanitária. 

Água e saneamento 

A agência realça que está pronta para atuar com parceiros humanitários para fornecer vacinas essenciais, medicamentos de emergência e suprimentos de água e saneamento.  

Atuando com parceiros, o Unicef distribuiu suprimentos, mas declarou que ainda não é o suficiente. Há necessidade de apoio em grande escala e acesso total para determinar a dimensão das necessidades das crianças. 

A agência reitera que é preciso um acesso “urgente, sustentado, incondicional e imparcial” a todas as famílias necessitadas. Outro pedido é que as autoridades permitam a livre circulação dos civis em busca de segurança em outros locais.  

As vítimas incluem pessoas que desejam atravessar a fronteira para procurar proteção internacional. 

 

Cerca de 500 pessoas fugindo dos confrontos na região de Tigray, no norte da Etiópia, atravessam diariamente a fronteira com o Sudão
© AcnurAriane Maxiandeau
Cerca de 500 pessoas fugindo dos confrontos na região de Tigray, no norte da Etiópia, atravessam diariamente a fronteira com o Sudão