Covid-19 e outras infecções ameaçam 1,8 bilhão de agentes e usuários de saúde
BR

14 dezembro 2020

Risco é agravado em instalações sem serviços de água e saneamento; relatório da Organização Mundial da Saúde, OMS, e Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, revela que 10% dos países desenvolvidos não têm saneamento e um terço não trata resíduos de forma segura.

Duas agências da ONU informam num relatório que 1,8 bilhão de pessoas no mundo estão sob agravado risco de contrair a Covid-19 e outras infecções. Eles são agentes e usuários de serviços de saúde que não contam com água tratada e saneamento básico.

O documento, Fundamentos em primeiro lugar: serviços universais de água, saneamento e higiene em instalações de saúde para atendimento seguro e de qualidade, foi divulgado nesta segunda-feira pela Organização Mundial da Saúde, OMS, e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef.

Ocha/Gema Cortes
Um em cada quatro estabelecimentos de saúde em países em desenvolvimento não tem serviços de água, um terço deles não tem local para lavar as mãos.

Resíduos

O relatório considera alarmante a quantidade de unidades de saúde sem acesso a uma instalação de higiene das mãos eficaz ou que permita separar o lixo com segurança. 

A pesquisa em 165 países analisa 760 mil instalações quando a pandemia expõe falhas importantes nos sistemas de saúde, incluindo prevenção e controle de infecções inadequados.

Um em cada quatro estabelecimentos de saúde em países em desenvolvimento não tem serviços de água, um terço deles não tem local para lavar as mãos. Pelo menos 10% carecem de saneamento e um terço não separa resíduos de forma segura.

Para o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, trabalhar num centro de saúde assim é equivalente a despachar pessoal de saúde sem equipamento de proteção.

Unfpa Sudão/Sufian Abdul-Mout
Mulher recebendo serviços de saúde em Hamdayet, no Sudão

Países menos desenvolvidos

Ele lembrou que estes serviços são essenciais para o fim da Covid-19. E disse que há “lacunas importantes a superar, em especial nos países menos desenvolvidos. ”

De acordo com a diretora-executiva do Unicef,  Henrietta Fore, sempre houve falhas no sistema de saúde, mas após este ano, não é mais possível ignorá-las.

Fore disse que à medida que se reformula e molda um mundo pós-Covid, há “uma necessidade absoluta” de assegurar o envio de crianças e mães para locais equipados com água, saneamento e higiene adequados.

O documento realça a extrema importância de serviços para populações vulneráveis, incluindo gestantes, recém-nascidos e crianças, protegendo-as de uma série de condições que colocam risco à vida.

Unicef Brasil/Yareidy_Perdomo
Sem serviços de saneamento é difícil manter os hábitos de higiene recomendados para evitar a propagação da Covid-19

Unidades de serviços

De acordo com dados preliminares, seria preciso US$ 1 por pessoa para permitir que todos os 47 países menos desenvolvidos criassem serviços básicos de água nas unidades de saúde. Em média, US$ 0,20 por ano ajudariam a assegurar a operação e manutenção desses serviços.

O estudo defende que um aumento imediato de investimentos em água, saneamento e higiene teria como “grande retorno” a melhora da higiene nas instalações de saúde. 

Esta seria a “melhor aquisição” para o combate à resistência antimicrobiana. Entre os benefícios estaria a baixa de custos dos cuidados de saúde

As duas agências ressaltam ainda o ganho da economia de tempo, porque os profissionais de saúde não precisariam procurar água para higienizar as mãos.

Uma melhor higiene e o consequente aumento da utilização de serviços gerariam um retorno de US$ 1,5 para cada dólar investido.
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU pede mais investimentos para cobertura universal de saúde 

Em Dia Internacional, secretário-geral diz que sistemas precisam proteger todos; celebrações reforçam consciência em favor da robustez de ofertas do setor para milhões de pessoas.

Pobreza infantil em países ricos deverá seguir taxas pré-Covid por mais cinco anos 

Fundo das Nações Unidas para Infância, Unicef, alerta que, em Portugal, deverá haver agravamento no nível de vida da população infantil; agência pede reforço no sistema e mecanismos de proteção.