Dia Mundial do Solo ressalta papel da biodiversidade para produção alimentar  
BR

5 dezembro 2020

Relatório aponta que degradação do solo afeta pelo menos 3,2 bilhões de pessoas ou 40% da população mundial; FAO diz que manejo sustentável do solo é vital para se alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODS. 

Este 5 de dezembro é o Dia Mundial do Solo. Sob o tema: "Mantenha o solo vivo, proteja a biodiversidade do solo", a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, destaca a importância deste recurso para sustentar ecossistemas saudáveis e o bem-estar humano 

Importância  

Tecnologias podem ajudar a utilizar os solos de forma mais sustentável, FAO/Tanzania

Um novo relatório da agência mostra que os organismos do solo desempenham um papel crucial na produção de alimentos, preservação da saúde humana, recuperação de locais poluídos e combate à mudança climática. Mas a contribuição do solo continua subestimada, 

Em comunicado, a vice-diretora-geral da FAO, Maria Helena Semedo, disse que “a biodiversidade do solo e o manejo sustentável são pré-requisitos para o cumprimento de muitos dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.” 

Os solos são um dos principais reservatórios globais de biodiversidade. 

Eles hospedam mais de 25% da diversidade biológica mundial. Além disso, mais de 40% dos organismos vivos em ecossistemas terrestres estão associados aos solos durante seu ciclo de vida. 

Segurança alimentar 

O papel dessa biodiversidade é fundamental para a agricultura e a segurança alimentar. 

Os microrganismos que vivem nos solos, por exemplo, transformam compostos liberando nutrientes para alimentar as plantas. Essas transformações também são vitais para a filtração, degradação e imobilização de contaminantes.  

A diversidade contribui também para melhorar o controle, prevenção ou supressão de pragas e patógenos. 

Ameaças 

Plantio de Acácias pode ajudar a recuperar solos degradados, Pnud Chad/Jean Damascene Hakuzim

Todas essas funções ​​podem ser ameaçadas por atividades humanas, mudanças climáticas e desastres naturais. 

O uso excessivo e impróprio de agroquímicos é um dos principais fatores. Outros exemplos incluem desmatamento, urbanização, intensificação agrícola, perda de matéria orgânica, impermeabilidade da superfície, acidificação do solo, poluição, salinização, incêndios florestais, erosão e deslizamentos de terra. 

Soluções baseadas na natureza podem ter um papel significativo para mitigar a mudança climática. 

Os microrganismos que vivem no solo desempenham um papel fundamental no sequestro de carbono e na redução das emissões de gases de efeito estufa. Parte das emissões podem ser absorvidas pelas plantas e armazenada no solo através de decomposição microbiana, o que permite a retenção do carbono por longos períodos de tempo. 

Esta biodiversidade também apoia a saúde humana, direta e indiretamente, através da regulação de doenças e da produção de alimentos. 

Pragas 

Degradação dos solos tem impato em migrações e insegurança alimentar, PMA/James Belgrave

Diversas bactérias e fungos são usados ​​na produção de molho de soja, queijo, vinho e outros alimentos e bebidas fermentados. A relação entre as raízes das plantas e a biodiversidade do solo permite que as plantas gerem produtos químicos, como antioxidantes, que as protegem de pragas e outras ameaças. 

Quando as pessoas consomem essas plantas, elas se beneficiam desses antioxidantes, estimulando seu sistema imunológico e contribuindo para a regulação hormonal.  

Esses microrganismos também podem ajudar a prevenir doenças inflamatórias crônicas, incluindo alergia, asma, doenças autoimunes, inflamatórias intestinais e depressão. 

Além disso, desde o início dos anos 1900, muitos medicamentos e vacinas foram derivados de organismos do solo, como é o exemplo de antibióticos bem conhecidos como a penicilina. 

Segundo a FAO, com o aumento de doenças causadas por microrganismos resistentes, este recurso tem um enorme potencial para fornecer novos medicamentos para combatê-los. 

Futuro 

Projeto em Cuba, apoiado pela ONU, de recuperação de solos, Pnud

De acordo com o relatório, a adoção de práticas sustentáveis ​​ pelos agricultores continua sendo baixa devido à falta de suporte técnico e incentivos. 

A publicação também destaca a necessidade de promover tecnologias inovadoras, como novas técnicas moleculares que permitem uma melhor compreensão dos organismos do solo. 

Neste Dia Mundial, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, também destacou a importância deste recurso para a vida humana. 

Impacto 

Em comunicado, o especialista em solo da agência, Abdelkader Bensada, disse que os humanos “dependem e continuaram a depender dos serviços ecossistêmicos fornecidos pelos solos.” 

Segundo o Pnuma, a poluição do solo tem um impacto adverso na segurança alimentar de duas maneiras. Primeiro, reduzindo o rendimento das safras devido aos níveis tóxicos dos contaminantes. Segundo, porque as safras de solos poluídos não são seguras para consumo por animais e humanos. 

A poluição também pode fazer com que a qualidade do solo diminua com o tempo. Atualmente, a degradação da terra e do solo está afetando pelo menos 3,2 bilhões de pessoas, cerca de 40% da população mundial. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Na Universidade de Columbia, Guterres defende movimento global para salvar clima 

Secretário-geral diz que ação levará a compromissos mais ambiciosos para sociedades neutras em carbono; meta para 2021 é criar Coalizão Global pela Neutralidade do Carbono; avaliação realça benefícios da tecnologia, análises econômicas e baixo custo de produção de energias renováveis.