Passar para o conteúdo principal

Violência em Cabo Delgado leva a aumento de 17% de deslocados moçambicanos  BR

Funcionário da OIM na praia em Pemba onde chegam muitos dos deslocados
OIM/Sandra Black
Funcionário da OIM na praia em Pemba onde chegam muitos dos deslocados

Violência em Cabo Delgado leva a aumento de 17% de deslocados moçambicanos 

Paz e segurança

Dados do fim de novembro sugerem que 424 mil pessoas tiveram que fugir de suas casas, 45 mil a mais que no mês anterior; Organização Internacional para Migrações, OIM, está apoiando com abrigos, serviços básicos e de saúde mental. 

A Organização Internacional para Migrações, OIM, está profundamente preocupada com o deslocamento contínuo de civis no norte de Moçambique devido à insegurança na província de Cabo Delgado. O local é alvo de ataques de terroristas islâmicos e grupos armados. 

Entre 28 de outubro e 25 de novembro, mais de 45 mil pessoas fugiram do distrito de Muidumbe, ao norte, devido a vários ataques.  

Grupo de deslocados na capital de Cabo Delgado, Pemba
Grupo de deslocados na capital de Cabo Delgado, Pemba, by OIM/Matteo Theubet

Crise 

Em comunicado, a chefe da missão da OIM em Moçambique, Laura Tomm-Bonde, disse que “os deslocamentos estão a aumentar no norte de Cabo Delgado à medida que continuam os ataques a populações civis. 

Segundo ela,  as famílias deslocadas são altamente vulneráveis ​​e é necessário mais assistência para atender as necessidades humanitárias.” 

Deslocados 

Mais de 37 mil moradores de Muidumbe, a cerca de 100 km da fronteira entre Moçambique e Tanzânia, fugiram para o distrito de Mueda, no norte. Outros 5 mil  mudaram-se para para Montepuez, no sul, e cerca de 3 mil pessoas tomaram a estrada para a capital Pemba. 

Segundo a Matriz de Rastreamento de Deslocamento da OIM, em final de novembro, havia pelo menos 424 mil indivíduos deslocados, um aumento de 17% em relação ao mês anterior. Mais de 144 mil estão em áreas de difícil acesso devido a questões de segurança. 

Nlabite Chafim, que integra uma família de oito indivíduos que fugiram pela floresta a pé em julho, contou que a sobrinha viu os pais serem assassinados e que desde então “não é mais a mesma pessoa”. 

Funcionária da OIM apoia população deslocada no bairro de Alto Gingone, em Pemba, na província de Cabo Delgado
Funcionária da OIM apoia população deslocada em Cabo Delagado, Helvisney Cardoso, ONU Moçambique

A família está recebendo assistência da agência, incluindo sessões de apoio psicossocial. Um dos irmãos recebeu materiais para recomeçar um pequeno negócio de carpintaria e assim sustentar a família. 

A OIM também distribuiu abrigo, utensílios domésticos e estabeleceu pontos de  prestação de serviços básicos. Além de saúde mental e apoio psicossocial, a OIM facilita o acesso a serviços de saúde e proteção. 

Necessidades 

De 16 a 22 de novembro, a agência rastreou mais de 14,4 mil pessoas que fugiram de Muidumbe. Cerca de 48% são crianças, 30% mulheres e 22% homens. 

Entre as principais necessidades dos deslocados, estão alimentos, abrigo e utensílios domésticos. 

A OIM recolhe dados sobre o deslocamento em cooperação com o governo de Moçambique. A informação é depois compartilhada com parceiros humanitários para planejar a resposta.  

Entre abril de 2019 e outubro de 2020, a agência e seus parceiros assistiu cerca de 400 mil indivíduos em Cabo Delgado, afetados pela insegurança e pelo ciclone Kenneth.  

ONU apoia resposta a crise humanitária em Cabo Delgado, Moçambique