Atriz Nicole Kidman participa de evento na ONU contra a violência de gênero 
BR

25 novembro 2020

Embaixadora da Boa Vontade da ONU Mulheres leva mensagem à reunião com secretário-geral e representantes de agências incluindo o Fundo de População das Nações Unidas, Unfpa; este 25 de novembro é o Dia Internacional para Eliminação da Violência a Mulheres e o início da campanha 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero. 

Pelo menos 243 milhões de mulheres e meninas foram vítimas de violência no ano passado. E o autor era um parceiro ou pessoa íntima. Desde a pandemia, o número de chamadas para linhas de apoio a vítimas de violência doméstica aumentou até 500%. 

Estes são alguns dos alertas da ONU neste Dia Internacional para Eliminação da Violência a Mulheres. Para marcar a data, a organização realiza um evento virtual com a participação da atriz e embaixadora da Boa Vontade, Nicole Kidman, e outros convidados. 

Campanha 

Nomes de vítimas de feminicídio em uma exposição no México, ONU Mulheres/Alfredo Guerrero

Desde o início da pandemia, todos os tipos de violência contra mulheres e meninas se intensificaram. Para a ONU, a crise é uma espécie de “pandemia paralela”. 

Segundo os dados, menos de 40% das mulheres que sofrem violência denunciam o caso ou buscam ajuda.  

Desde o início da crise de saúde, em alguns países, o número de chamadas para linhas de apoio a vítimas da violência doméstica aumentou até cinco vezes. 

Neste 25 de novembro, embaixadores da boa vontade, agências da ONU e o secretário-geral apelam para um esforço coletivo global para combater a ameaça.   

Além de António Guterres, participam a diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, a diretora-executiva do Fundo das Nações Unidas para a População, Unfpa, Natalia Kanem, e a embaixadora da Boa Vontade Cindy Bishop.  

Direitos humanos 

Em mensagem, o secretário-geral da ONU afirma que a violência a mulheres e meninas “constitui uma ameaça aos direitos humanos em nível mundial.” 

Para Guterres, “a pandemia da Covid-19 veio confirmar que esta é uma emergência global que requer uma ação urgente por parte de todas as pessoas, a todos os níveis, em todos os lugares.” 

Lembre aqui a entrevista da ativista brasileira Maria da Penha à ONU News em 2018:  

 

Impacto 

O impacto social e econômico da pandemia lançou um grande número de mulheres e meninas na pobreza, e o risco de serem alvos de violência continua a aumentar. 

Em abril deste ano, o secretário-geral apelou à comunidade internacional para acabar de uma vez por todas com a pandemia silenciosa da violência.  

Até o momento, 146 Estados-membros assumiram o compromisso. Nos últimos meses, 135 países aumentaram as ações e recursos para enfrentar a violência contra as mulheres como parte da resposta à Covid-19. Neste Dia Internacional, o secretário-geral reitera e renova esse apelo.  

ONU Mulheres
Campanha deste ano para 16 dias de ativismo, que termina em 10 de dezembro

Liderança 

Guterres afirma que é preciso priorizar a liderança das mulheres na procura de soluções, mas também envolver os homens nesta luta.   

Para ele, é “fundamental” que os serviços para as vítimas de violência permaneçam abertos, dotados de recursos e de medidas adequadas para apoiar as respostas sanitárias, sociais e de justiça. 

Segundo Guterres, “não basta intervir após o ato de violência contra as mulheres.” É também necessário prevenir a violência, em particular, abordando normas sociais e desequilíbrios de poder. Além disso, a polícia e os sistemas judiciais devem aumentar a responsabilização dos agressores e pôr fim à impunidade.  

Assista ao vídeo com a embaixadora da ONU Mulheres, Nicole Kidman (em inglês).

Campanha 

Este ano, os 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero é “Torne o Mundo Laranja: Financie, Responda, Previna, Recolha!”. 

O evento termina em 10 de dezembro, quando é marcado o Dia dos Direitos Humanos. 

Durante esses dias, a ONU Mulheres irá destacar o depoimento de sobreviventes, ativistas e parceiros, que irão contar o que aconteceu no terreno desde o início da pandemia.   

A agência espera que essas histórias “de pessoas que fazem a diferença todos os dias sejam inspiradoras, e mostrem como as pessoas podem agir.” 

Tolerância Zero 

A ONU Mulheres está pedindo que sejam financiados serviços essenciais sobre violência de gênero e organizações de mulheres,  campanhas de mobilização e uma política de tolerância zero e, por fim, que se coletem melhores dados para melhorar os serviços, programas e políticas. 

Segundo a ONU Mulheres, quase 18% das mulheres e meninas sofreram violência física ou sexual por um parceiro íntimo no último ano. Estimativas apontam que, a cada três meses de bloqueio, mais 15 milhões de mulheres são afetadas pela violência. 

O evento virtual começa às 10h, de Nova Iorque, e pode ser acompanhado pela ONU Web TV. 

UNDP-Ukraine/Anastasia Vlasova
ONU destaca pobreza entre falhas nos direitos humanos que criaram fragilidades na pandemia

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Relatora da ONU defende ação urgente para erradicar “pandemia” de feminicídio

Dubravka Simonovic emitiu comunicado apoiado por dezenas de especialistas em direitos humanos propondo criação de observatórios e sistemas de vigilância para prevenir assassinatos; segundo ela, Covid-19 está ofuscando a crise da violência a meninas e mulheres.