México: relatores da ONU pedem à polícia proteção para mulheres manifestantes
BR

20 novembro 2020

Em comunicado, grupo ressalta início da campanha de 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero, neste 25 de novembro; polícia reprimiu marchas anteriores com uso excessivo da força.

Um grupo de relatores de direitos humanos* da ONU emitiu um comunicado pedindo a autoridades no México que protejam as manifestantes que protestam contra a violência a mulheres, no país.

O comunicado antecede as comemorações dos 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero, que começam na próxima quarta-feira, 25 de novembro.

Mortes

Nessa data será marcado o Dia Internacional de Erradicação da Violência a Mulheres. Os especialistas em direitos humanos afirmam que as mexicanas que saem às ruas para pedir o fim da violência não podem acabar sendo atacadas elas mesmas.

Para os relatores, “nada pode ser mais irônico e indignante” que imagens da polícia mexicana atacando manifestantes pacíficas que repudiam a violência e morte de mulheres todos os dias no México.

No comunicado, o grupo afirma que as manifestantes pedem apenas uma vida sem violência para elas e as meninas mexicanas protestando contra o feminicídio, que é forma mais letal de violência à mulher.

ONU Mexico/Alexis Aubin
Segundo os relatores, o México precisa adotar medidas concretas para lutar contra a “cultura do machismo” dentro da polícia.

Obrigação

Os especialistas dizem que mais do que nunca é vital que as autoridades mexicanas respeitem e protejam o direito à reunião pacífica. Segundo eles, algumas ameaças de assédio sexual, violência e prisão sofridas pelas mulheres, diariamente, no México, tornaram-se ainda piores.

O apelo ao governo mexicano, em todos os níveis, é para que cumpra a obrigação de criar um entorno seguro para as mulheres. E que elas possam exercer o direito à liberdade de reunião sem medo e represálias. 

Em junho, os especialistas expressaram sua preocupação ao governo do México com a intimidação e as ameaças às defensoras de direitos humanos no país.

“Cultura de machismo”

Segundo os relatores, o México precisa adotar medidas concretas para lutar contra a “cultura do machismo” dentro da polícia, para fortalecer os mecanismos de prestação de contas e contra os estereótipos de gênero na sociedade.

O grupo diz que deve haver responsabilidade no país na forma como os agentes policiais tratam as mulheres manifestantes e as defensoras de direitos humanos.

Os 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero terminam em 10 de dezembro, quando é marcado o Dia dos Direitos Humanos.

*Os relatores de direitos humanos são independentes das Nações Unidas e não recebem salário por sua atuação.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Escritório de Direitos Humanos quer investigação no caso de jornalista decapitado no México

Corpo de Julio Valdivia Rodríguez foi encontrado em área rural depois de desaparecer na quarta-feira; profissional trabalhava para o diário El Mondo; pelo menos quatro jornalistas foram mortos no país em 2020.

Unesco pede punição para assassinato de jornalista no México, o quarto este ano

Pablo Morrugares, que dirigia o site PM Noticias, foi morto à queima-roupa em Iguala, no sudoeste do país; o profissional, que sofria ameaças de morte desde 2015, estava acompanhado de um guarda-costa que também perdeu a vida no ataque.