Guterres pede que União Europeia seja “exemplo poderoso” na área do clima 
BR

19 novembro 2020

Secretário-geral falou a ministros das Relações Exteriores na União Europeia; organização promete neutralidade do carbono até 2050; ONU organiza Cúpula da Ambição do Clima em 12 de dezembro em parceria com Reino Unido e França.

O chefe das Nações Unidas, António Guterres, falou por videoconferência, nesta quinta-feira, ao Conselho Europeu de Relações Exteriores. O órgão reúne ministros de todos os Estados-membros da União Europeia, UE. 

Ao comentar a emergência climática, Guterres afirmou que o mundo “ainda não está perto da linha de chegada.” 

Avanços 

António Guterres mencionou “respostas encorajadoras” da UE, Japão e Coreia do Sul, Reprodução

Ele mencionou “respostas encorajadoras” ao falar da UE, do Japão e da Coreia do Sul, que prometeram neutralidade do carbono até 2050 junto com mais 110 países.  

Espera-se que já no próximo ano, países que concentram mais de 65% das emissões globais de dióxido de carbono e mais de 70% da economia mundial tenham assumido compromissos com a neutralidade de carbono. 

Apesar desse esforço, o secretário-geral afirma que a humanidade “ainda está atrasada ​​nessa corrida contra o tempo.” 

Segundo ele, cada país, cidade, instituição financeira e empresa deve adotar planos para a transição para emissões líquidas zero até 2050. Esses planos precisam ser publicados antes da COP-26, a Conferência da ONU sobre Mudança Climática. 

Planos 

Para Guterres, os países do G-20, que são responsáveis ​​por mais de 80% da poluição climática, devem dar o exemplo. 

Ele disse que “a UE liderou as emissões líquidas zero no G-20”, mas agora precisa “continuar a comandar com compromissos de curto prazo concretos e ambiciosos.” 

O chefe da ONU acredita que é “essencial” que a UE se comprometa a reduzir as emissões em pelo menos 55% até 2030.  

Junto com o Reino Unido e a França, as Nações Unidas estão organizando a Cúpula da Ambição do Clima no dia 12 de dezembro, para marcar cinco anos do Acordo de Paris.  

Financiamento 

António Guterres disse que a data é “uma oportunidade clara para a União Europeia apresentar seu plano mais ambicioso para o clima.” 

O secretário-geral afirma que o pacote de investimento proposto, de €1,85 trilhão, é “uma oportunidade para investir em medidas e tecnologias necessárias para alcançar a neutralidade climática até 2050.” 

Segundo ele, “as decisões tomadas sobre esse financiamento irão decidir o rumo dos próximos anos e podem “constituir um exemplo poderoso para o resto do mundo.” 

Glasgow preparava-se para acolher mais de  3 mil delegados na COP26, by Unsplash/Adam Marikar

​​​​​​​

Guterres finalizou com dois pedidos: primeiro, que todo o carvão seja eliminado gradualmente na UE até 2030 e nos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, Ocde, até 2040. E segundo: que a organização pare de financiar os combustíveis fósseis em nível internacional. 

Ajuda 

A União Europeia também tem um papel crucial para apoiar os países em desenvolvimento.  

O chefe da ONU conta com a organização e outros países doadores para colocar à disposição, anualmente, US$ 100 bilhões em financiamento climático para países em desenvolvimento. 

O secretário-geral realçou depois como a UE tem liderado a ação climática, por meio de legislação e políticas pioneiras, como o mercado de carbono, e mostrando que “é possível reduzir as emissões e ao mesmo tempo atingir o crescimento econômico.” 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Chefe da ONU pede mais rapidez para alcançar neutralidade de carbono até 2050 

Secretário-geral participou em Diálogos Corrida ao Zero, uma campanha que mobiliza empresas, cidades, regiões e investidores; União Europeia, Japão, Coreia do Sul e mais de 110 países já aderiram à iniciativa.