América Central enfrenta segundo furacão em menos de duas semanas 
BR

17 novembro 2020

Com categoria 4, Lota chegou à Nicarágua como tempestade mais forte este ano no Atlântico; região ainda se recupera do furacão Eta que afetou 5 milhões de pessoas; Iota é 30° furacão desta temporada recorde. 

Os países da América Central estão enfrentando o segundo furacão em apenas duas semanas. Nesta terça-feira, a Nicarágua foi afetada pelo Iota, a 30a. tempestade tropical desta temporada. 

Há duas semanas, o furacão Eta atingiu 5 milhões de pessoas e matou mais de 150, segundo agências de notícias. 

Eta arrasou os serviços de saúde de Honduras levando estragos a Belize e Guatemala, PMA

Deslizamentos 

Desta vez, o Escritório da ONU para Assuntos Humanitários, Ocha, avalia que o Iota pode causar cheias, inundações e deslizamentos de terra uma vez que o solo está já saturado pelo furacão Eta. 

De categoria 4, o Iota se torna o furacão mais forte deste ano no Atlântico.  

De acordo com a previsão, ele deve avançar para o interior do país e depois para o sul de Honduras, um dos mais afetados pelo Eta. A previsão é que a nova tempestade perca força nas próximas horas. 

O Iota deve levar ainda mais chuvas ao norte da Nicarágua, ao sudeste e centro da Guatemala, ao sul de Belize, El Salvador e Panamá.  

Para a agência da ONU, as consequências devem ser potencialmente catastróficas. A comunidade internacional lançou apelos de assistência para Guatemala, Honduras e Nicarágua. 

Resposta 

Esta semana, uma equipe de Avaliação e Coordenação de Desastres da ONU, Undac, chegou a Honduras para ajudar após o furacão Eta.  Os especialistas contaram que grandes regiões do leste e do norte foram submersas e sofreram deslizamentos de terra. 

Um senhor, de 74 anos, na Guatemala, contou que que perdeu a casa que dividia com a filha, o genro e os netos na pior enchente que já viveu. A água subiu até o telhado. 

Com a enchente, o poço d’água foi contaminado, as plantações destruídas e a família ficou sem comida e sem água.  

Moradores de Puerto Cabezas, Nicarágua, após a passagem do furacão Eta, PMA

Ajuda humanitária 

Com o furacão, aumentou a insegurança alimentar na Guatemala que já sofria com seca, redução de colheitas e dificuldades econômicas causadas pela Covid-19. 

Antes da passagem do Eta, cerca de 3,3 milhões de pessoas na Guatemala já sofriam necessidades humanitárias.  

Agora, quase 400 mil pessoas foram deslocadas e mais de 650 mil precisam de ajuda. Muitos correm risco de contrair doenças transmitidas por água e desnutrição aguda principalmente mulheres, crianças e idosos. 

Pela primeira vez na história, o Atlântico teve duas grandes formações de furacões em novembro, quando termina a estação de tempestades tropicais. 

Desde outubro, quatro grandes furacões chegaram à região: Delta, Epsilon, Eta e Iota, todos com nomes retirados do alfabeto grego porque a lista regular de nomes de tempestades se esgotou este ano. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Nova tempestade ameaça áreas do Caribe atingidas pelo Eta, que afetou 2,5 milhões

Alerta do Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos mostra novos movimentos no Caribe nas próximas horas; Organização Internacional para Migrações, OIM, conta que está atuando com outras agências da ONU para socorrer sobreviventes em Honduras, El Salvador, Guatemala e Belize.