Mais de 25 mil etíopes precisam de ajuda no Sudão após confrontos em Tigray
BR

16 novembro 2020

Pelo menos 20% do total chegaram ao território sudanês num só dia; Acnur alerta para piora de condições de vida com a operação militar na região; agência anuncia mais assistência em saúde para os próximos dias.

A Agência da ONU para os Refugiados, Acnur, revelou que mais de 25 mil pessoas precisam de apoio após terem fugido da Etiópia para o Sudão devido aos confrontos na região de Tigray. 

Nesta segunda-feira, a agência destacou que num só dia mais de 5 mil pessoas chegaram ao país vizinho. O número é o mais alto desde que começou a situação de emergência.

© Acnur/Ariane Maxiandeau
Abrigos temporários foram construídos no Sudão por refugiados que fugiam de confrontos na região de Tigray, no norte da Etiópia.

Eritreia 

No fim de semana, o escritório do Acnur no Sudão relatou que mulheres, homens e crianças continuavam sendo vistos à distância do ponto de passagem da fronteira de Hamdayet ao longo da região em conflito.

De acordo com agências de notícias, o governo do primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, anunciou a captura de uma outra cidade na região norte após quase duas semanas de combates com a Frente de Libertação do Povo Tigray. O conflito, que já atinge a Eritreia, tem impacto na região do extremo leste da África.

Antes, o Acnur destacou que as condições de vida em Tigray estavam ficando mais difíceis com a operação na região.  

Entre os principais problemas na área estão restrições no fornecimento de energia, suprimentos alimentares e combustível. As comunicações também foram cortadas limitando o fluxo das informações.

© AcnurAriane Maxiandeau
Presença de um grande número de deslocados é considerada um problema prestes a se agravar

Capacidade

Desde sexta-feira, o número de refugiados em busca de segurança no vizinho Sudão subiu 20%. A maioria atravessou a fronteira de Hamdayet, no estado de Kassala, e locais como Lugdi, no estado de Gedaref.

As pessoas chegam com poucos pertences, o “que indica que fugiram com pressa”. As crianças chegam exaustas e com medo, sendo a maioria de Humera no interior de Tigray. Outros recém-chegados chegam das cidades vizinhas de Rawyan e Dima.

O Acnur e seus parceiros tiveram que aumentar a assistência diante do aumento no número de recém-chegados, que chega a ultrapassar a capacidade local.

Além dos desafios com a superlotação dos centros de trânsito no posto de travessia de fronteira de Hamdayet, faltam instalações de saneamento.

Os recém-chegados recebem refeições quentes com o apoio do Programa Mundial de Alimentos, PMA, da ONG Ajuda Muçulmana e de comunidades locais.

Saúde

O Crescente Vermelho do Sudão enviou uma equipe médica para garantir remédios essenciais. O grupo foi encarregado de realizar exames de saúde em Hamdayet, incluindo da Covid-19. Este tipo de assistência será reforçado nos próximos dias.

Devido ao fluxo de refugiados, o Sudão aprovou a criação de um acampamento de refugiados em Um Rakuba, a 80 quilômetros da fronteira. O local tem capacidade para hospedar até 20 mil pessoas. 

De acordo com o Acnur, estão sendo identificadas mais áreas de acomodação de refugiados etíopes.
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Total de refugiados no leste do Sudão sobe 10% após confrontos em Tigray

Acnur confirma que mais de 11 mil pessoas atravessaram a fronteira da Etiópia em apenas uma semana; área de destino já acolhe cerca de 100 mil refugiados, a maioria da Eritreia; altos funcionários da ONU alertam sobre risco de genocídio.

Bachelet diz que Etiópia deve resolver diferenças sem lançar mão da violência

Alta comissária de direitos humanos emitiu nota pedindo calma na região etíope de Tigray, no norte do país, e para onde o governo enviou tropas federais; tensão entre forças regionais e nacionais começou na semana passada, atingindo também a região de Oromia.