ONU quer impulso global para promover ciências para todos mesmo após pandemia 
BR

28 outubro 2020

Em evento, chefes de três agências das Nações Unidas ressaltaram “perigos” associados a segredos e negações; para eles, a cooperação na resposta ao Covid-19 é vital para vencer a doença. 

O conhecimento científico não pode ser exclusivo ou encarado como uma simples “questão de opinião” ou ponto de vista. O acesso à ciência deve ser para todos.    

Tedros disse que um processo aberto de pesquisa promove transparência, OMS/Christopher Black

Transparência 

Foi assim que três líderes de agências das Nações Unidas descreveram a situação global sobre a resposta à Covid-19 e a necessidade de cooperação entre todos para combater o que chamaram de “negação” e “segredos” sobre a pandemia. 

Na terça-feira, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, Tedros Ghebreyesus, a chefe da Unesco, a agência da ONU para Educação, Ciência e Cultura, Audrey Azoulay, e a alta comissária para os direitos humanos, Michelle Bachelet, emitiram um comunicado conjunto com suas preocupações. 

Segundo Tedros, nesse momento, as melhores tecnologias de saúde e descobertas não podem ser privilégio de poucos, mas precisam estar à disposição de todos. O chefe da OMS acredita que um processo aberto de pesquisa ajuda a promover transparência, inclusão e solidariedade.

Comunidade científica 

Já a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, ressaltou a necessidade universal de acesso à ciência mais do que antes, além do potencial para cooperação. Para ela, a solidariedade demonstrada na comunidade científica global é um modelo para o futuro.  

Audrey Azoulay contou que apenas uma em cada quatro publicações era aberta todos, ONU/Manuel Elias

Azoulay contou que antes da Covid-19, apenas uma em cada quatro publicações científicas era aberta e acessível a todos, com isso milhões de pesquisadores ficavam excluídos da possibilidade de intercâmbio com colegas de outras partes do mundo.  

Para a Unesco, os modelos fechados de ciência não funcionam e só aumentam desigualdades entre os países e os pesquisadores. A agência afirma que esse modelo leva progresso científico apenas a uma minoria. 

“Democratizar a ciência” 

A alta comissária da ONU para os direitos humanos, Michelle Bachelet, acredita que existe uma necessidade urgente de “democratizar a ciência” não apenas liberalizando o acesso a publicações, mas também tornando o processo científico mais acessível, transparente e mais participativo ao compartilhar dados, protocolos, software e infraestrutura. 

Os 193 países-membros da Unesco estão redigindo um documento sobre como manter uma visão coerente da ciência aberta com um conjunto de princípios e valores. A versão final deve ser adorada para o fim de 2021. 

Michelle Bachelet afirmou que falhas levaram a desconfiança na ciência, ONU

Michelle Bachelet afirmou que as falhas de um sistema de ciência fechado acabaram levando a uma desconfiança na ciência e a uma falta de conexão entre ciência e sociedade, e a um maior abismo entre ciência, tecnologia e inovação entre os países.  Para a alta comissária, a partilha de conhecimento é uma questão de direitos humanos.

OMS e Wikipedia 

Para Bachelet, a pandemia tornou a informação aberta ainda mais importante. A chefe de direitos humanos acredita que o fim da pandemia não será alcançado com o uso da força, mas sim com o emprego da ciência e da completa informação do público e cooperação dos cidadãos. 

Bachelet concluiu elogiando a OMS e a empresa Wikipedia por fornecer acesso livre à informação sobre a Covid-19. Segundo ela, quando os benefícios da ciência são gerenciados como uma mercadora puramente comercial reservada ao enriquecimento, todos saem perdendo. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Mundo fechou semana com recorde de novos casos de Covid-19 

Chefe da OMS destacou agravar da situação no Hemisfério Norte, novas medidas contra propagação do vírus foram tomadas no fim de semana; Tedros Ghebreyesus pediu que o mundo “pare com a politização da Covid-19”, dizendo que “uma pandemia não é um futebol político.”