ONU pede maior cooperação internacional para combater desastres naturais 
BR

13 outubro 2020

No Dia Internacional da Redução do Risco de Desastres, secretário-geral António Guterres diz estas situações pioram sem uma boa gestão do risco; novo relatório revela aumento "impressionante" de desastres nos últimos 20 anos. 

Este ano, o Dia Internacional da Redução do Risco de Desastres, marcado este 13 de outubro, destaca a importância da boa governança para construir um mundo mais seguro e resiliente. 

Em mensagem sobre o dia, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que “uma boa gestão do risco de desastres significa agir com base na ciência e em provas.”  

Responsabilidade 

Para o chefe da ONU, “o risco de desastres não é responsabilidade exclusiva das autoridades locais e nacionais.”  

António Guterres diz que isso requer compromisso político ao mais alto nível para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs, e a Convenção-Quadro de Sendai para a Redução do Risco de Desastres. 

Para erradicar a pobreza e reduzir os impactos das mudanças climáticas, o chefe da ONU diz que a comunidade internacional deve “colocar o bem público acima de todas as outras considerações.” 

Segundo o secretário-geral, as situações mais graves "só pioram sem uma boa gestão do risco de desastres.” 

Pandemia 

O secretário-geral afirmou que a pandemia de Covid-19 trouxe renovada atenção para a importância de fortalecer a redução do risco de desastres. Segundo ele, a crise de saúde “mostrou que o risco sistêmico requer cooperação internacional.” 

Guterres disse que “muitos países enfrentam várias crises simultaneamente” e que, se nada foi feito, mais casos semelhantes acontecerão. 

Em países de baixa renda, como as Fiji, que foram atingidas por um ciclone em 2016, as taxas de mortalidade são maiores, by Ocha/Danielle Parry

Apesar de um grande aumento dos desastres nas últimas duas décadas, Guterres diz que houve “pouco progresso na redução da perturbação climática e da degradação ambiental.” 

Relatório 

Segundo um novo relatório do Escritório da ONU sobre Redução de Risco de Desastres, publicado na segunda-feira, os primeiros 20 anos do século 21 foram marcados por um aumento "impressionante" dos desastres climáticos,  

Nesse período, houve 7.348 desastres em todo o mundo. Aproximadamente 1,23 milhão de pessoas morreram, cerca de 60 mil por ano. Além disso, mais de 4 bilhões de pessoas foram afetadas.  

Essas duas décadas causaram US$ 2,97 trilhões em perdas para a economia global. Os dados mostram que as nações mais pobres tiveram taxas de mortalidade mais de quatro vezes superiores às economias mais ricas.  

Em comparação, o período anterior de 20 anos, de 1980 a 1999, teve 4.212 desastres relacionados com desastres naturais. Estes eventos causaram 1,19 milhão de mortes e perdas econômicas de US$ 1,63 trilhão. Mais de 3 bilhões de pessoas foram afetadas por catástrofes naturais.   

Inundações foram responsáveis ​​por mais de 40% dos desastres, seguidas por tempestades, terremotos, e temperaturas extremas

Aumento 

Um melhor registro explica a diferença nas últimas duas décadas, mas o aumento das emergências relacionadas ao clima foi a principal razão para o crescimento.   

Para os autores do relatório, “esta é uma prova clara de que em um mundo onde a temperatura média global em 2019 era 1,1º C acima do período pré-industrial, os impactos estão sendo sentidos.”  

Segundo o estudo, isso é evidente na maior frequência de ondas de calor, secas, inundações, tempestades de inverno, furacões e incêndios florestais.  

As inundações foram responsáveis ​​por mais de 40% dos desastres, afetando 1,65 bilhão de pessoas, seguidas por tempestades, terremotos, e temperaturas extremas.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU revela aumento "impressionante" de emergências climáticas em 20 anos 

Desastres nas últimas duas décadas também causaram US$ 2,97 trilhões em perdas para a economia global; nações mais pobres tiveram taxas de mortalidade mais de quatro vezes superiores às mais ricas.