OMS aprova dois testes de Covid-19 que oferecem resultados em 15 minutos 
BR

2 outubro 2020

Também foi garantido o fornecimento de 120 milhões de testes para uso em países de baixa e média rendas; diretor-geral da agência desejou “recuperação completa e rápida" ao presidente e primeira-dama dos Estados Unidos após ambos contraírem o coronavírus.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, aprovou esta semana o uso de emergência de dois primeiros testes de Covid-19 que oferecem resultados confiáveis entre 15 a 30 minutos. 

A informação foi confirmada esta sexta-feira pelo diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus. Segundo ele, também foi garantido o fornecimento de 120 milhões de testes para uso em países de baixa e média rendas.  

Laboratório em Damasco, na Síria, onde testes à Covid-19 são realizados. Novos testes encurtam o tempo de espera
Laboratório em Damasco, na Síria, onde testes à Covid-19 são realizados. Novos testes encurtam o tempo de espera, Unicef Síria

Vacinas e testes 

A decisão agiliza o processo para produtos ainda não licenciados serem usados durante emergências de saúde pública. O sistema permite informar os Estados-membros sobre dados de qualidade e segurança. 

Também esta sexta-feira, a OMS pediu que os fabricantes de vacinas se inscrevam para solicitar pré-qualificação para a lista de uso de emergência. 

Tedros destacou a importância das duas ferramentas da OMS, ACT-Acelerador e Covax, quando a imunização estiver disponível. Segundo ele, os dois instrumentos garantem “que todas as vacinas comprovadamente seguras e eficazes são distribuídas equitativamente em todo o mundo.” 

Esta semana, a OMS anunciou que o ACT-Acelerador recebeu US$ 1 bilhão dos US% 35 bilhões necessários. Além disso, 168 países aderiram à Covax e outros 25 irão se juntar em breve.  

Situação 

168 países aderiram à Covax e outros 25 irão se juntar em breve

Tedros lembrou o diagnóstico positivo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a primeira-dama, Melania Trump, desejando “uma recuperação completa e rápida." 

O chefe da OMS disse que, todas as semanas, existem cerca de 2 milhões de novos casos. Esta semana, o mundo também ultrapassou a trágica marca de um milhão de mortes. Mais da metade delas na região das Américas. 

Tedros disse que a agência continua ajudando todos os países para prevenir infecções e salvar vidas. 

Zona de tratamento do ebola na província do Kivu Norte, na República Democrática do Congo.
OMS investiga alegações de abusos durante combate ao ebola na República Democrática do Congo, Unicef/Tremeau

Eleafirmou que “este é um momento crítico” e que os governos devem permanecer vigilantes e prontos, investindo em seus sistemas nacionais de saúde. 

Ebola 

O chefe da agência também abordou algumas notícias sobre a resposta ao ebola na República Democrática do Congo, que considerou “perturbadoras.” 

A agência investiga alegações de exploração e abuso sexuais por pessoas que se identificaram como trabalhadores da OMS.  

Tedros disse que a agência atua em cenários difíceis “para salvar vidas e espalhar esperança” e, por isso, “a traição das pessoas” nas comunidades que serve é inadmissível. 

A OMS iniciou uma investigação das alegações, bem como questões de proteção mais amplas em ambientes de resposta a emergências de saúde. A agência tem uma política de tolerância zero em relação à exploração e abuso sexuais. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud