Na ONU, Moçambique lista desafios com atos terroristas no norte do país
BR

23 setembro 2020

Presidente Filipe Nyusi disse que confrontos já mataram mais de 1 mil pessoas e que forças de segurança estão respondendo aos ataques de extremistas islâmicos na província de Cabo Delgado; partes das áreas de Manica e Sofala também são afetadas por homens armados.

Uma onda de violência provocada por ataques de grupos extremistas islâmicos no norte de Moçambique foi destaque no discurso do presidente do país, Filipe Nyusi, à Assembleia Geral da ONU, nesta quarta-feira, em Nova Iorque.

Num depoimento pré-gravado, por causa da pandemia da Covid-19, Nyusi contou que terroristas estão alvejando as províncias de Cabo Delgado. Em Manica e Sofala também ocorrem ataques armados de "alegados dissidentes da Renamo", o maior partido da oposição.

Crime organizado

Segundo ele, o governo está “respondendo com firmeza” e com a ajuda da população. Áreas de Moçambique foram arrasadas pelos ciclones Idai e Kenneth no ano passado. E segundo o Programa Mundial de Alimentos, PMA, a nova onda de deslocamento interno por causa da violência causou uma crise humanitária. Muitos estão fugindo para a Tanzânia, o país vizinho.

Nesta quarta-feira, o presidente contou à ONU que cerca de 250 mil pessoas se tornaram deslocadas internos.

Segundo Filipe Nyusi, vários dos elementos armados têm associações com o crime organizado internacional. Ele agradeceu o apoio da ONU, do enviado especial do secretário-geral ao país e de outras entidades para enfrentar o desafio.

ONU Moçambique/Philip Hatcher-Moore
Nova onda de deslocamento interno por causa da violência causou uma crise humanitária em Moçambique.

Desenvolvimento integrado

O presidente lembrou que o acordo de paz alcançado com os integrantes da Resistência Nacional Moçambicana, Renamo, em agosto de 2019, ajudou a desarmar 1 mil elementos das fileiras do movimento.

O líder moçambicano também anunciou a criação de uma Agência de Desenvolvimento Integrado para o norte do país que deve promover ações em Cabo Delgado, Nyassa e Nampula.

Ao citar o meio ambiente e a implementação do Acordo de Paris, Filipe Nyusi afirmou que Moçambique está investindo 10% do orçamento nacional no setor.

O país já conta com energia eólica, solar, hídrica e outras fontes renováveis de geração de energia elétrica assim como mais investimentos em gás natural.

O presidente agradeceu aos parceiros internacionais pelo apoio recebido no combate à Covid-19, que “afetou ainda mais as economias em desenvolvimento especialmente em África”.

Ocha/Saviano Abreu
Efeitos do ciclone Kenneth em Moçambique.

Aniversário da ONU

Segundo Nyusi tanto as áreas urbanas como as rurais do país sofreram com a pandemia. Ele encerrou o discurso afirmando que a paz e a segurança internacionais, o desenvolvimento e os direitos humanos só encontram terreno fértil numa abordagem coletiva de atores mundiais.

O presidente reiterou o apoio de Moçambique aos princípios da Carta da ONU e aos valores da organização por ocasião do aniversário de 75 anos.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Angola diz que Covid-19 afetou esperanças de revitalização da economia do país 

Presidente da nação africana de língua portuguesa, João Lourenço citou medidas tomadas pelo governo para responder a crise; ele também pediu a ampliação do Conselho de Segurança como parte do processo de reforma da ONU e das necessidades do mundo atual. 

Em discurso na ONU, Jair Bolsonaro pede combate à "cristofobia”

Presidente do Brasil foi o primeiro a discursar no debate geral da Assembleia Geral de líderes internacionais em Nova Iorque; ele defendeu liberdade religiosa para todos, disse que o Brasil está pronto para investimentos e afirmou que seu governo combateu a Covid-19 e o desemprego; Bolsonaro diz que país é alvo de uma “campanha brutal” contra sua política ambiental e de proteção da Amazônia.