ONU apela para a restauração imediata da ordem constitucional no Mali
BR

18 agosto 2020

Secretário-geral pede libertação imediata e incondicional de líderes do país da África Ocidental; presidente maliano e membros do governo foram detidos em levante militar iniciado nas primeiras horas da terça-feira.

As Nações Unidas condenaram com veemência nesta terça-feira a prisão do presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, e membros de seu governo por soldados amotinados.

De acordo com agências de notícias, o primeiro-ministro Boubou Cissé também foi preso no levante que começou com tiros nas primeiras horas da manhã em um acampamento militar perto Bamaco, a capital do país.

Libertação

Presidente maliano Ibrahim Boubacar Keita foi detido com membros do seu governo em Bamaco.
Presidente maliano Ibrahim Boubacar Keita foi detido com membros do seu governo em Bamaco., by ONU/Kim Haughton

Em nota emitida pelo seu porta-voz, o secretário-geral da ONU, António Guterres, apela a restauração imediata da ordem constitucional e do Estado de direito no país da África Ocidental. Para isso, ele exige a libertação imediata e incondicional do presidente e de membros do seu gabinete.

O chefe da ONU disse acompanhar os eventos com “profunda preocupação”. Guterres realça seu pedido de uma solução negociada e pacífica para que sejam resolvidas as diferenças entre as partes.

Solução pacífica

De acordo com os relatos das agências de notícias, o clima de agitação acontece ao mesmo tempo que vários apelos de protestos para que o presidente renuncie.

Guterres manifesta “total apoio” aos esforços da União Africana e da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental em favor de uma solução pacífica para a crise no Mali, inclusive por meio da disponibilidade do seu representante especial para resolver o problema.

Outro apelo às partes partes interessadas, particularmente as forças de defesa e segurança, é que exerçam máxima contenção e a defendam os direitos humanos e as liberdades individuais de todos os malianos.
 

Dezenas de profissionais da polícia, alfândega, fronteira e Promotoria trabalharam juntos para rastrear armas ilegais
Minusma/Marco Dormino
Dezenas de profissionais da polícia, alfândega, fronteira e Promotoria trabalharam juntos para rastrear armas ilegais

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud