Dia Mundial Humanitário homenageia “heróis anônimos da resposta à pandemia”
BR

19 agosto 2020

Secretário-geral destaca que Covid-19 aumentou necessidades no setor; ONU aponta 2020 como ano sem precedentes em relação à sobrecarga de trabalhadores humanitários; ataques a funcionários da saúde provocaram 199 mortes em 2019.

As Nações Unidas assinalam este 19 de agosto o Dia Mundial Humanitário, incentivando o mundo a homenagear a ação dos funcionários que respondem à pandemia.

Este ano, a data proclamada em memória ao ataque a bomba ao Canal Hotel  em Bagdá, no Iraque, é celebrada pela 11ª vez. Pelo menos 22 pessoas morreram na explosão de um carro-bomba no então complexo da ONU no país, incluindo o brasileiro Sérgio Vieira de Mello, que era o representante máximo da organização no Iraque.

Desafios

Funcionária de saúde distribui itens de higiene no Bangladesh, para prevenir Covid-19, by OMS

Em mensagem de vídeo, o secretário-geral António Guterres destaca que, com a Covid-19, os funcionários de auxílio “superaram enormes desafios para salvar e melhorar a vida de milhões de pessoas.”

O chefe da ONU considera que esses trabalhadores são “heróis anônimos da resposta à pandemia” e, com frequência, “arriscam suas próprias vidas para salvar a vida dos outros.”

Guterres sublinha as “ações extraordinárias em tempos extraordinários” realizadas por esses profissionais que ajudam os afetados por crises. Para o chefe da ONU, em 2020 os trabalhadores de ajuda estão "sobrecarregados como nunca antes".

A mensagem realça ações como resposta à crise global da Covid-19 e efeitos da pandemia. Entre eles, estão o aumento das necessidades humanitárias, a perda de empregos, educação, alimentos, água e segurança que afetam milhões de pessoas.

Resposta

Para Guterres, as restrições de movimento para retardar a propagação do vírus fizeram com que as comunidades, a sociedade civil e as organizações locais fossem as primeiras a dar resposta.

 

Guterres destaca ainda a coragem dos trabalhadores de auxílio do setor da saúde e socorristas que “mostram solidariedade e humanidade neste momento de necessidade sem precedentes”.

Nesse setor, a Organização Mundial da Saúde, OMS, relatou 1.009 ataques sofridos por profissionais e instalações em 2019. O resultado foram 199 mortes e 628 feridos em 2019.

De acordo com as Nações Unidas, pelo menos 483 trabalhadores humanitários foram vítimas de ataques diversos no ano passado. Neles, 125 morreram, 234 ficaram feridos e 124 foram sequestrados em 277 incidentes.

A maioria dos ataques ocorreu na Síria, seguida pelo Sudão do Sul, República Democrática do Congo, Afeganistão, República Centro-Africana, Iêmen e Mali.

PMA
ONU e parceiros humanitários na linha de frente da ação pós-ciclone em Moçambique

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud