Unicef quer aumentar ajuda para 40 mil vítimas de violência na RD Congo
BR

14 agosto 2020

Confrontos intercomunitários desalojaram milhares no Kivu-Sul; agência quer cobrir déficit para ação humanitária; reforço de mecanismos de resposta é meta de pedido feito a parceiros humanitários.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, anunciou que presta assistência a cerca de 40 mil deslocados que fugiram da violência nos planaltos do Kivu-Sul, leste da República Democrática do Congo.

Entre as vítimas estão 7,5 mil crianças menores de cinco anos. O grupo também tem 1,5 mil mulheres grávidas que abandonaram suas aldeias nos territórios de Uvira, Fizi e Mwenga após a eclosão dos confrontos interétnicos em maio.

Unicef destaca que milhares de crianças ficaram afetadas com a destruição de 28 escolas em dezembro passado. Foto: Ocha/Tommaso Ripani

Escolas 

Nos confrontos foram saqueados e inutilizados 10 centros de saúde. O pessoal médico teve que abandonar 18 centros hospitalares devido à violência. 

O Unicef destaca que milhares de crianças ficaram afetadas com a destruição de 28 escolas em dezembro passado. Cerca de 200 manuais devem ser fornecidos a crianças fora da escola nas localidades de Bijombo e Mikenge.

A agência atua com parceiros  nessas áreas que abrigam 40 mil pessoas nas florestas. Nos próximos dias, a meta é entregar toneladas de comida a 4 mil necessitados.

Intervenção

Em comunicado, o Unicef realça diversas ações que ajudaram a reabrir o hospital de Mikenge. A agência enviou toneladas de suprimentos médicos, medicamento e equipamentos de esterilização. Acredita-se que o donativo vai cobrir as necessidades médicas de 20 mil pessoas em três meses.  

O Unicef tenta reunir ou colocar em famílias de hospedagem 17 crianças que foram separadas dos pais pelos confrontos. Dois kits recreativos foram encaminhados a 300 crianças para atividades em grupo.

Ao mesmo tempo, várias clínicas móveis prestam serviços médicos básicos e vacinam 23 mil deslocados que se refugiaram em Monte Mitumba.

ONU News/John Kibego
Uma refugiada da República Democrática do Congo que agora vive no campo de refugiados de Kyangwali, em Uganda.

Déficit

A onda de violência no Kivu-Sul acontece num momento em que a RD Congo enfrenta o ébola e outras crises no leste do país.

O Fundo da ONU diz precisar de mais de US$ 300 milhões para a resposta humanitária no país da África Central. Deste valor, a recebeu apenas 7% até meados de julho passado. 

O apelo aos parceiros é que reforcem a resposta para evitar que milhares de deslocados fiquem sem comida, abrigo, assistência sanitária e educação nos planaltos do Kivu-Sul. 
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud