Pandemia levará à queda de 23% em comércio internacional da AL e Caribe
BR

6 agosto 2020

Previsão consta de um relatório apresentado pela Comissão Econômica das Nações Unidas para América Latina e Caribe, Cepal, divulgado em Santiago do Chile; perdas são maiores que as registradas durante crise financeira de 2009.

A pandemia da Covid-19 terá um efeito negativo sobre o comércio internacional da América Latina e do Caribe. Num relatório, a Comissão Econômica da ONU para a região, Cepal, estima que a queda deve ser de 23% ainda este ano, dois pontos percentuais acima das perdas registradas em 2009, durante a crise econômica global.*

O relatório foi apresentado pela secretária-executiva da Cepal, Alicia Bárcena, a jornalistas, nesta quinta-feira. “Os efeitos da Covid-19 no comércio internacional e na logística” revelam que o valor das exportações regionais seria de -23% este ano, já o das importações -25%.

Secretária-executiva da Cepal, Alicia Bárcena. Foto: Carlos Vera/ECLAC

Contenção

As consequências da pandemia sobre a América Latina e o Caribe estão afetando também os níveis de emprego da região, que tem grande parte de seus trabalhadores no setor informal, um dos mais impactados pelas medidas de contenção do vírus.

Bárcena contou que no mundo em desenvolvimento, essa é a região mais afetada pela crise da Covid-19 com quedas na venda de manufaturados, mineração e combustíveis. Entre janeiro e maio deste ano, o comércio global acumulou uma redução de 17%. O turismo, um dos setores mais importantes para os países latino-americanos e caribenhos, registrou -50%.

A chefe da Cepal afirmou que para sair desta crise, será preciso aprofundar a integração regional “com pragmatismo”. Somente entre janeiro e maio deste ano, houve uma redução de 17% no valor de exportações de bens em comparação com o mesmo período do ano passado. As maiores quedas nas exportações latino-americanas e caribenhas foram registradas nos Estados Unidos (-22%) seguida de União Europeia (-14,3%) e da própria região (-23,9%). 

ITU/A.Mhadhbi
Para a agência, a região de 650 milhões de pessoas precisa investir mais no comércio digital.

China e agricultura

Já as exportações para a Ásia, principalmente a China, caíram menos nesse período chegando a 2%.  Já o setor de produtos agrícolas e agropecuários, no total, registrou uma leve subida de exportações com 0,9%.

Os setores mais afetados na América Latina e Caribe são mineração e petróleo com 25,8% de queda e as manufaturas com -18,5%.
O relatório da Cepal lista quatro países na América Central que conseguiram aumentar sua pauta de exportações durante a pandemia: Costa Rica, Guatemala, Honduras e Nicarágua principalmente por causa da venda de suprimentos médicos e de produtos agrícolas.
650 milhões

Para a agência, a região de 650 milhões de pessoas precisa investir mais no comércio digital e reduzir suas vulnerabilidades em casos de choques externos. O relatório também recomenda um diálogo mais simétrico com Estados Unidos, China e Europa.

A chefe da Cepal acredita que num contexto de incerteza alta, a região deve “gerar serviços de valor agregado e aumentar sua competividade” implementando medidas de forma coordenada com outras ações econômicas e sociais para levar a uma recuperação econômica eficiente e sustentável e com dividendos sociais e ambientais.
 
*Com informações da Cepal.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud