OMS diz que Covid-19 é a emergência de saúde global "mais grave" com a qual teve que lidar BR

Funcionário hospitalar em Brazzaville, na República Democrática do Congo, usando proteção contra o vírus
OMS
Funcionário hospitalar em Brazzaville, na República Democrática do Congo, usando proteção contra o vírus

OMS diz que Covid-19 é a emergência de saúde global "mais grave" com a qual teve que lidar

Saúde

Organização Mundial da Saúde deve convocar o Comitê de Emergência para reavaliar a situação; chefe da agência fez a declaração às vésperas do novo coronavírus completar seis meses como emergência de saúde pública internacional; na época, havia menos de 100 casos fora da China, onde a doença surgiu.  Hoje, já são mais de 16 milhões de casos e 646 mil mortes no mundo.
 

Nesta quinta-feira, 30 de julho, a OMS marca seis meses da declaração da Covid-19 como uma “emergência de saúde pública internacional”.

Numa entrevista a jornalistas, o diretor-geral da agência, Tedros Ghebreyesus, disse que esta é “de longe, a mais grave” emergência que a OMS teve que enfrentar. 

No início, havia menos de 100 casos fora da China, onde a doença surgiu, na cidade de Wuhan. Nenhuma morte havia ocorrido no exterior. Hoje, são mais de 16 milhões de casos confirmados e pelo menos 646 mil mortes em todo o globo.

Resposta

Tedros afirmou que “a pandemia continua se acelerando.” Nas últimas seis semanas, o número de casos duplicou.  
Ele contou que vai convocar o Comitê de Emergência para reavaliar a situação. 

Depois de declarar a crise como uma emergência de saúde pública internacional em 30 de janeiro, o mesmo Comitê anunciou uma situação de pandemia a 11 de março. 

O chefe da OMS disse que “a Covid-19 mudou o mundo, unindo pessoas, comunidades e nações, mas também separando-as.” 

Segundo ele, a pandemia “mostrou os lados positivo e negativo dos seres humanos”. 

Nos últimos seis meses, a comunidade cientifica aprendeu muito sobre o vírus e continua aprendendo. Mas para Tedros, os pilares da resposta não mudaram: liderança política e informação, engajar e escutar as comunidades. 

As medidas básicas de combate também continuam sendo as mesmas: diagnosticar, isolar, testar e cuidar de casos e rastrear e colocar em quarentena seus contatos. 

Em nível individual, os conselhos continuam sendo que as pessoas mantenham distanciamento social, lavem as mãos, evitem multidões e áreas fechadas e usem máscara quando recomendado. 

Segundo o chefe da agência, “onde essas medidas são seguidas, os casos diminuem”.

Exemplos 

Ele destacou países que preveniram surtos em larga escala, como Camboja, Nova Zelândia, Ruanda, Tailândia, Vietnã e ilhas no Pacífico e no Caribe. Outros como Canadá, China, Alemanha e Coreia do Sul conseguiram controlar grandes surtos.  

Funcionária de saúde distribui itens de higiene no Bangladesh, para prevenir Covid-19
Funcionária de saúde distribui itens de higiene no Bangladesh, para prevenir Covid-19, OMS

Tedros afirmou que um dos elementos mais importantes nesta luta “é a determinação e a vontade de fazer escolhas difíceis para manter todos em segurança.” 

Trabalho 

Nos últimos seis meses, a OMS trabalhou apoiando os países na resposta ao vírus. Tedros disse estar “imensamente orgulhoso” da organização, de seus funcionários e de seus esforços. 

Dias depois dos primeiros casos surgirem na China, a agência publicou orientações abrangentes sobre como diagnosticar, testar e tratar os doentes e proteger os profissionais de saúde. 

Depois, divulgou o primeiro protocolo de teste, atuando com um fabricante na Alemanha para produzir testes e enviá-los aos países mais carentes. 

Reunindo milhares de especialistas de todo o mundo, a agência analisou todos os novos dados e produziu orientações atualizadas. Tedros disse que “a OMS nunca produziu um volume tão grande de consultoria técnica num período tão curto.” 

Secretário-geral destacou ainda a resposta das Nações Unidas à pandemia de Covid-19, que até esta terça-feira havia matado mais de 962 mil pessoas.  
Profissionais de saúde envolvidos no tratamento de vítimas da Covid-19, na Etiópia,OMS

Mais de 4 milhões de pessoas receberam cursos de treinamento online, o Solidarity Trial foi lançado para encontrar as terapias mais eficazes e Voos Solidários transportaram milhões de kits de teste e toneladas de equipamentos de proteção. 

Solidariedade 

Também foi criado o Fundo de Resposta à Solidariedade, que já angariou mais de US$ 225 milhões de mais de 563 mil pessoas, empresas e filantropos. Além disso, Estados-membros e doadores disponibilizaram cerca de US$ 1 bilhão para apoiar os países. 

A OMS trabalhou com organizações comunitárias, grupos religiosos, empresas de tecnologia e muitos outros grupos para combater a pandemia de informação, que chamou de infodemia. Também lançou o Acelerador ACT, que está ajudando a desenvolver e distribuir vacinas, diagnósticos e tratamentos. 

Para Tedros, a agência “produziu uma quantidade de trabalho incrível, mas ainda tem um caminho longo e difícil pela frente.” 

Seis meses mais tarde, o chefe da OMS diz que a pandemia “mostrou como a saúde não é uma recompensa pelo desenvolvimento, mas a fundação da estabilidade social, econômica e política.” 

Ele terminou dizendo que o mundo não é prisioneiro da pandemia e que todos ainda podem fazer a diferença.