Guterres diz que região árabe tem oportunidade de se recuperar melhor da Covid-19
BR

23 julho 2020

Mais recente documento político do secretário-geral sobre a pandemia no mundo ressalta “tremenda diversidade e potencial” da região árabe e dos desafios enfrentados por todos os países; chefe da ONU diz que a era pós-Covid traz uma oportunidade para “redesenhar o modelo econômico”; leia o texto na íntegra.

 

 

 

“A pandemia do Covid-19 expôs falhas, fissuras e fragilidades nas sociedades e nas economias em todo o mundo, e a região árabe não é uma exceção.
A região árabe é abençoada com uma tremenda diversidade e potencial. Mesmo assim, todos os países árabes: ricos em petróleo, de renda média ou menos desenvolvidos enfrentam dificuldades na resposta.
A pandemia global expôs desafios endémicos.
A economia regional sofreu vários choques tanto do vírus como da queda acentuada dos preços do petróleo, das remessas e do turismo.
As previsões económicas estão nos níveis mais baixos dos últimos 50 anos.
A economia regional deverá cair mais de 5% - com alguns países a enfrentarem contrações de dois dígitos.
Com outros milhões de pessoas a serem empurradas para baixo, um quarto da população árabe poderá viver na pobreza.
Em uma região já cheia de tensões e desigualdades, isso terá profundas consequências na estabilidade política e social.
Algumas comunidades são especialmente atingidas incluindo mulheres e migrantes, que representam 40% da força de trabalho, e os 55 milhões de pessoas que já contam com assistência humanitária para sobreviver.
Aqueles apanhados pelos conflitos armados enfrentam desafios particulares, especialmente os 26 milhões de refugiados e pessoas deslocadas internamente, que estão entre os mais expostos ao vírus.
Mas a pandemia da Covid-19 também pode ser um momento para resolver conflitos de longa data e fragilidades estruturais.
Quatro conjuntos de prioridades podem orientar a resposta para recuperar melhor e alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.
Primeiro: medidas imediatas para retardar a propagação da doença, acabar com o conflito e atender as necessidades urgentes dos mais vulneráveis.
Isso significa dar prioridade a cuidados de saúde que salvam vidas, respeitando o apelo de um cessar-fogo global; garantir assistência humanitária aos mais vulneráveis incluindo refugiados, deslocados e comunidades de acolhimento; presta apoio de emergência a indivíduos e famílias; e tomar medidas para aliviar a dívida, promover o comércio e expandir o apoio, por exemplo, através de um fundo de solidariedade regional.
Segundo: devemos intensificar os esforços para combater as desigualdades, investindo em saúde e educação universais; proteção social e tecnologia.
A região abriga a maior lacuna de género do mundo no desenvolvimento humano. A recuperação da Covid-19 é uma oportunidade de se investir em mulheres e meninas, garantir igualdade de direitos e de participação, o que trará benefícios duradouros para todos.
A educação e as oportunidades também são críticas para os jovens da região que enfrentam taxas de desemprego cinco vezes maiores que as dos adultos. Com os investimentos certos, a juventude árabe, que é agora a maior faixa etária da região, também pode ser o seu maior ativo.
Terceiro, impulsionar a recuperação económica redesenhando o modelo económico, favorecendo economias verdes mais diversificadas.
Isto significa criar empregos dignos sustentáveis; introdução de medidas tributárias progressivas; acabar com os subsídios aos combustíveis fósseis e ter mais em conta os riscos climáticos.
Quarto: este é o momento de dar prioridade aos direitos humanos, garantir uma sociedade civil vibrante e meios de comunicação livres, e criar instituições mais responsáveis que aumentarão a confiança dos cidadãos e fortalecerão o contrato social.
Todas essas etapas são fundamentais para ajudar a região árabe a recuperar melhor e a melhorar a sua capacidade de suportar futuros choques.
A região árabe pode lá chegar aproveitando ao máximo o notável potencial, compaixão e engenho do seu povo.
Juntos, podemos transformar uma crise em uma oportunidade. Será bom para a região e para o nosso mundo. 
Obrigado.”
 
 
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

A desigualdade é o tema que define era atual, diz Guterres em evento na Fundação Nelson Mandela

Líder da ONU profere palestra anual para marcar o Dia Internacional Nelson Mandela; ele destacou desigualdades históricas, como de raça e de gênero, e disse que o mundo precisa de um “Novo Contrato Social” e um “Novo Acordo Global”; durante o discurso, Guterres anunciou a nomeação do jogador sul-africano de rugby, Siya Kolisi, como novo embaixador da Boa Vontade para a iniciativa das Nações Unidas "Spotlight" para combater violência a mulheres.

Guterres: Srebrenica foi a pior atrocidade na Europa desde a 2ª Guerra Mundial

Mundo marca 25 anos do Genocídio de mais de 8 mil meninos e homens muçulmanos na Bósnia-Herzegovina; secretário-geral da ONU, alta comissária para os Direitos Humanos e especialistas prestaram tributo às vítimas.