Moçambique em lista de países com risco de insegurança alimentar por causa da pandemia 
BR

21 julho 2020

 Nova pesquisa revela que país de língua portuguesa é “considerado extremamente vulnerável a problemas econômicos” devido à Covid-19; desvalorização da moeda, violência, redução das exportações e menos receitas do governo contribuem para a situação.  

Moçambique é um dos 27 países* que podem enfrentar uma crise alimentar provocada pela pandemia de Covid-19, informou a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, e o Programa Mundial de Alimentos, PMA. 

As agências da ONU destacam vários motivos para a crise no país, como secas em províncias do sul, inundações no início de 2020, pragas e os efeitos dos ciclones Idai e Kenneth, ocorridos em 2019, e que ainda se fazem sentir.

Moçambique 

As agências afirmam que “o país é considerado extremamente vulnerável a problemas econômicos negativos causados pela pandemia de Covid-19”, destacando a dependência das importações de alimentos. 

As exportações devem cair esse ano, bem como o preço das matérias-primas, resultando em menos receitas para o governo e preços mais altos dos alimentos. 

Ao mesmo tempo, restrições de combate ao vírus e a depreciação do metical, a moeda moçambicana, estão diminuindo a renda para muitas famílias urbanas e rurais. 

A pesquisa destaca o problema da violência em Cabo Delgado, a província mais afetada pelo vírus. Segundo a FAO e o PMA, “a situação de segurança está se deteriorando rapidamente, com o aumento das capacidades dos insurgentes e a evolução das suas estratégias.” 

Já o Escritório das Nações Unidas para Assuntos Humanitários, Ocha, acredita que o problema já causou mais de 200 mil deslocados. O número deve aumentar nos próximos meses assim como mais restrições para o acesso humanitário.  

Regiões  

Nenhuma região está imune a estas crises, do Afeganistão ao Bangladesh, na Ásia, do Haiti, no Caribe, à Nigéria, na África.  

Em comunicado, o diretor-geral da FAO, Qu Dongyu, disse que muitos países na lista dos 27 já tinham altos níveis de insegurança alimentar, causados por crises econômicas, instabilidade e insegurança, eventos climáticos e pragas de plantas e doenças.  

Segundo ele, estas nações "sofrem agora os efeitos da Covid-19 nos sistemas alimentares, que estão criando uma crise de fome dentro de uma crise de saúde." 

O distanciamento social está sendo praticado em centro de reassentamento no distrito de Dondo, como parte dos esforços para combater a propagação da Covid-19, PMA/Rafael Campos

Para Dongyu, a comunidade internacional não pode encarar a situação "como um problema de amanhã, precisa fazer mais agora." 

Efeitos 

Segundo a FAO e o PMA, a Covid-19 aumentando a insegurança alimentar de quatro maneiras.

Primeiro: com o aumento do desemprego, as pessoas têm menos dinheiro para gastar em comida e os migrantes menos fundos para enviar remessas às famílias.  

Depois, uma série de interrupções está reduzindo a produção e fornecimento de alimentos. Além disso, a queda das receitas do governo significa que redes de segurança, como programas de proteção social e alimentação escolar, estão com problemas de financiamento.  

Por fim, a pandemia pode contribuir para a instabilidade política e intensificar conflitos sobre recursos naturais, como água e pastagens ou rotas de migração. 
 *Haiti, Nigéria, Venezuela, Camarões, República Centro-Africana, Etiópia, Somália, Sudão do Sul, Iraque, Líbano, Zimbábue, Peru, Equador, Colômbia, Afeganistão, Bangladesh, Guatemala, Honduras, El Salvador, Nicarágua, Síria, República, Sudão, Iémen, Moçambique, Libéria, Burkina Fasso, Mali, Níger, Serra Leoa e Honduras.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Covid-19 pode elevar taxas de fome na América Latina e no Caribe em 269% 

Relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, e Programa Mundial de Alimentos, PMA, revela que África será o continente mais afetado pela nova ameaça de insegurança alimentar além de Ásia e Oriente Médio.