Guterres, Tedros e rainha Matilde conversam com jovens sobre saúde mental 
BR

15 julho 2020

Reunião virtual, que contou com rainha da Bélgica foi organizada pela enviada especial do secretário-geral da ONU para a Juventude, e o chefe da ONU que interagiram com oito jovens de todo o mundo.
 

O impacto da pandemia na saúde mental dos jovens foi o tema de um encontro virtual na ONU que contou com a rainha Matilde da Bélgica, representantes da organização, jovens de todo o mundo e a enviada do secretário-geral para a Juventude, Jayathma Wickramanayake. 

A enviada especial, que organizou o evento, afirmou que depois da pandemia, “todos estão enfrentando uma realidade diferente da que conheciam” seja em países com medidas de quarentena ativas ou onde as economias já começam a reabrir. 

Melhores sistemas 

Para ela, o debate é uma forma de combater o estigma sobre saúde mental entre os jovens e fortalecer a demanda por melhores sistemas de saúde mental e intervenções psicossociais.

O encontro juntou oito jovens de vários países com o secretário-geral da ONU, António Guterres, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, Tedros Ghebreyesus, a diretora-executiva do Fundo da ONU para a Infância, Unicef, Henrietta Fore, e a Rainha Matilde da Bélgica.

Um dos estudantes perguntou ao secretário-geral o que era o "novo normal". 

António Guterres explicou que se recusava a usar o termo porque o mundo estava vivendo tempos "anormais".

Estigma

Ele contou que sente falta da família, amigos e colegas e que "a vida humana precisa de contato humano." Para o chefe da ONU, o mundo não terá um novo normal até que esse contato possa ser resgatado.

O secretário-geral elogiou ainda a capacidade da ONU e muitas outras organizações de se adaptarem ao mundo virtual, mas contou que “a pandemia deixou claro que é preciso reconstruir melhor e diferente.”

Já a rainha Matilde da Bélgica, que tem advogado pelo tema da saúde mental há vários anos, destacou a necessidade de ação em todas as frentes: prevenção, melhoria de resiliência, aumento da conscientização, combate ao estigma e acesso para todos a serviços de saúde mental."

ONU/ Jean-Marc Ferré
Rainha Matilde da Bélgica.

Prioridade

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, disse que "a Covid-19 é uma crise, mas também uma oportunidade de realizar melhorias." 

Para Tedros, o mundo deve "usar este momento para fortalecer os serviços de saúde mental para adolescentes" aumentando investimentos e o compromisso político.

Para ele, não pode haver saúde sem saúde mental. 

A diretora executiva do Unicef falou sobre as atividades da sua agência, afirmando que “a saúde mental será uma prioridade” nos próximos anos.

Henrietta Fore afirmou que estes cuidados e o apoio psicossocial “serão profundamente integrados em todos os programas” e que os jovens farão parte desse trabalho, em conversas sobre boas políticas e serviços. 

Para Fore, é fundamental não falar “sobre” jovens, mas sim “com” os jovens,
 
 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Mundo tem que mudar forma de responder a desafios sobre doença mental

Em comunicado, relator especial sobre saúdes física e mental diz que modelo atual abusa de remédios e internações; para Dainius Pura, países, sociedade civil e até mesmo a Organização Mundial da Saúde devem repensar a forma de compreender o tema; especialista criticou abuso de psicotrópicos.