Armênia e Azerbaijão devem dar passos para diminuir a tensão na fronteira
BR

14 julho 2020

Em nota, secretário-geral disse que está profundamente preocupado com relatos de violência na área e o uso de artilharia pesada; agências de notícias informaram que pelo menos seis militares azerbaijanos morreram, nesta terça-feira, incluindo um general; quatro militares armênios também perderam a vida, segundo autoridades do país.

As Nações Unidas pediram o fim imediato dos combates na fronteira da Armênia com o Azerbaijão. 

Em nota, emitida pelo seu porta-voz, o secretário-geral da organização, António Guterres, disse que todos os envolvidos devem dar passos imediatos para aliviar a tensão e se absterem de provocações. Armênia e Azerbaijão iniciaram um conflito, há 30 anos, por causa da região de Nagorno-Karabakh

Decisão foi feita na reunião que acontece desde 30 de junho em Baku, no Azerbaijão
Cidade de Baku, no Azerbaijão, by Eric Cuvillier/Ministério da Cultura e do Turismo do Azerbaijão

“Situação perigosa”

Guterres informou que está ciente da declaração da Organização para Segurança e Cooperação na Europa, Osce, e os co-presidentes do Grupo de Minsk, sobre o tema. O grupo é formado por diplomatas dos Estados Unidos, da França e da Rússia.

O chefe da ONU reiterou seu apoio absoluto aos esforços realizados para responder ao que ele chamou de “uma situação perigosa”. 

O secretário-geral disse que é preciso buscar um acordo pacífico e negociado para o conflito de Nagorno-Karabakh, que já dura quase três décadas.

Terceiro dia

Segundo agências de notícias, pelo menos seis militares azerbaijanos foram mortos, na terça-feira, na área da fronteira, pelo terceiro dia consecutivo de confrontos. Do lado armênio, quatro forças de segurança perderam a vida. 

Ambos os países pertenciam à antiga União Soviética. A maioria da população de Nagorno-Karabakh tem origem armênia. 
Em 1994, ambos os lados concordaram com um cessar-fogo, mas em 2016 a tensão voltou à região durante quatro dias de combates.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud