Pandemia pode atrasar Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em décadas
BR

14 julho 2020

Secretário-geral da ONU, António Guterres, falou aos participantes do Fórum Político de Alto Nível, nesta terça-feira, sobre o progresso da Agenda 2030 após a pandemia do novo coronavírus.

As Nações Unidas alertaram para o risco de a Covid-19 levar a um retrocesso no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs. As consequências da pandemia podem causar anos e até décadas de atraso por causa dos desafios fiscais e de crescimento que os países terão que enfrentar.

A declaração é do chefe da ONU, António Guterres. Ele discursou na abertura do encontro de ministros durante o Fórum Político de Alto Nível sobre os ODSs. 

Renda per capita

Segundo Guterres, o mundo enfrenta “níveis inaceitavelmente altos de pobreza, uma emergência climática que piora rapidamente, desigualdade de gênero persistente e enormes lacunas no financiamento.”

O secretário-geral falou sobre o desafio global da Covid-19, a crise de saúde e a redução obrigatória da jornada de trabalho, o que equivale à perda de 400 milhões de empregos. É a maior queda na renda per capita desde 1870.

A pandemia já afetou mais de 13 milhões de pessoas e causou cerca de 570 mil mortes.

Somente até dezembro, 265 milhões de pessoas poderão enfrentar insegurança alimentar aguda, o dobro do número em risco antes da crise.

Saneamento básico

Guterres disse que seu papel “não é dizer que tudo terminará bem” porque “é preciso levar os ODSs a sério.”

Segundo ele, os Estados-membros ainda falham, de diversas formas, ao tolerar desigualdades e investir pouco em resiliência, saúde, educação, proteção social, água potável e saneamento básico.

Apesar dessas dificuldades, ele se diz “encorajado pela tremenda resposta à crise.” O chefe da ONU destacou a voz dos jovens, o ativismo da sociedade civil, o poder da inovação e a capacidade de adaptação do mundo empresarial. 

Para Guterres, a crise de saúde pode ser usada para “romper com suposições e abordagens prejudiciais do passado.” Ele também pede medidas de resgate equivalente a 10% da economia global e solidariedade para com o mundo em desenvolvimento.

Ecosoc e Assembleia Geral

Além dos ministros de vários países, o Fórum conta com a presidente do Conselho Econômico e Social da ONU, Ecosoc, Mona Juul, o presidente da Assembleia Geral, Tijjani Muhammad-Bande, a primeira-ministra da Finlândia, Sanna Marin, e representantes da juventude.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs, nos cartazes em Times Square, Foto ONU/Manuel Elias

Mona Juul afirmou que, depois dos encontros desta semana, “é preciso reforçar, individual e coletivamente, os esforços de cooperação para construção de uma nova era de paz e prosperidade para todos.”

Segundo ela, a comunidade internacional tem o conhecimento necessário, mas precisa colocá-lo em prática. 

Recuperação

Já para o presidente da Assembleia Geral, “a humanidade não pode sobreviver a múltiplas crises se não trabalhar em conjunto com total respeito por todos os povos e por toda a vida do planeta.”

Para Tijjani Muhammad-Bande, “a realidade é que a Década de Ação se tornou a Década de Recuperação.” Ele disse que os ODSs “devem liderar as estratégias governamentais para proteger as comunidades de futuros choques construindo sistemas resilientes.”

Segundo ele, a comunidade internacional deve “reconstruir melhor e aumentar sua ambição” para criar o futuro que o mundo deseja.

Em setembro do ano passado, a Assembleia Geral proclamou a Década de Ação para os ODSs. O objetivo é acelerar ações de cumprimento da Agenda 2030, que estão atrasadas em muitas partes do mundo.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Chefe da OMS diz que mundo não será mais o mesmo após pandemia

Em entrevista a jornalistas, em Genebra, Tedros Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, disse que agência recebeu marca recorde de novas contaminações no domingo com 230 mil casos; Américas concentram metade de todas as infecções com Covid-19; mais de 566 mil pessoas morreram da doença.