Alta comissária da ONU quer resposta urgente para crise econômica no Líbano 
BR

13 julho 2020

Chefe para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, dia que é preciso agir imediatamente “antes que seja tarde demais”; país está à beira do colapso econômico com a moeda nacional perdendo mais de 80% de seu valor; em abril, 75% dos libaneses precisavam de ajuda.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, alertou para o impacto da crise socioeconômica sobre a população do Líbano.

Ela pediu ao governo, aos partidos políticos e ao setor financeiro que cooperem para garantir a proteção dos mais pobres e vulneráveis. Em abril, três quartos dos libaneses estavam precisando de ajuda para sobreviver

A alta comissária diz que centenas de famílias não conseguem colocar comida na mesa,  ONU

Vulneráveis

Em comunicado, a ex-presidente do Chile destacou a situação de libaneses vulneráveis e grupos, como refugiados e trabalhadores migrantes, dizendo que “eles estão cada vez mais incapazes de atender às suas necessidades básicas.”

Para Bachelet, “a situação está se descontrolando rapidamente, com muitas pessoas já com carências e passando fome."

Os vários choques econômicos, no Líbano, juntamente com o surto da Covid-19, atingiram todos os setores da sociedade. Muitos ficaram sem trabalho, perderam suas economias, poupanças e residências.

A alta comissária diz que “centenas de famílias não conseguem colocar comida na mesa.” A situação está piorando com a redução das importações de alimentos e medicamentos, porque a desvalorização da moeda do país, a libra libanesa, aumentou o custo dos produtos importados.

Economia

A crise econômica, juntamente com as medidas de controle da pandemia levaram um terço dos libaneses a perderem o emprego. Muitos mais devem ser lançados para o setor informal.

Desde outubro, a libra perdeu mais de 80% de seu valor, milhares de empresas fecharam. E os apagões de energia tornaram-se frequentes.

Michelle Bachelet lembra que "desemprego impulsiona a pobreza e o endividamento." Num país sem subsídio de desemprego e poucas medidas de segurança social, “a crise de desemprego tem implicações graves."

Protestos

Em outubro do ano passado, uma série de protestos mostrou a insatisfação dos libaneses com o que chamaram de “má administração do Estado, a corrupção e os impasses políticos.”

O Líbano acolhe 1,7 milhão de refugiados e 250 mil trabalhadores migrantes. Muitos migrantes perderam o emprego, não foram pagos, ficaram sem abrigo, não conseguem pagar cuidados de saúde ou enviar remessas para suas famílias.

Para Bachelet, o mundo deve responder à pandemia e à crise socioeconômica, “incluindo e protegendo todos, independentemente de seu status migratório."

A alta comissária pediu reformas urgentes aos partidos e líderes políticos, com prioridade para necessidades essenciais como alimentação, eletricidade, saúde e educação. Também apelou a uma maior assistência da comunidade internacional.

Agora que o alerta sobre a situação foi feito, Michelle Bachelet afirma que a comunidade internacional precisa "responder imediatamente antes que seja tarde demais."

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU: Recuperação pós-Covid-19 na AL e Caribe requer novo modelo de desenvolvimento

Em mensagem de vídeo em português, secretário-geral António Guterres ressalta que região afetada pela pandemia não pode ser excluída da ajuda global; leia o texto na íntegra.