África ultrapassa 200 mil infectados por pandemia e Guiné-Bissau pede drones
BR

11 junho 2020

Alta comissária da Guiné-Bissau para a Covid-19, Magda Robalo, diz à ONU News que nação precisa de aparelhos aéreos para distribuir testes pelo interior; doença chegou ao continente em meados de fevereiro; mais de 70% das mortes ocorrem em cinco países: Argélia, Egito, África do Sul e Sudão.

Mais da metade dos países africanos está enfrentando uma transmissão comunitária da Covid-19. A pandemia, que chegou à África, em meados de fevereiro, já matou mais de 5,6 mil pessoas. Nesta quinta-feira, o continente atingiu a marca de 200 mil casos. 

Alta comissária da Guiné-Bissau para a Covid-19, Magda Robalo. Foto: Arquivo Pessoal.

Guiné-Bissau

O Escritório Regional da Organização Mundial da Saúde, OMS, na África informou que 10 dos 54 países concentram 80% das novas infecções. 
E mais de 70% dos óbitos pela Covid-19 estão ocorrendo em cinco nações: África do Sul, Argélia, Egito, Nigéria e Sudão.

Dentre os países africanos de língua portuguesa, a Guiné-Bissau é uma das mais afetadas. A ONU News ouviu a médica e alta comissária do país para a Covid-19, Magda Robalo, que pediu apoio para obter drones que levem os testes ao interior da Guiné-Bissau.

 “Um país como a Guiné-Bissau precisa de maior solidariedade internacional agora e já. Precisamos de apoio com material e equipamento. Precisamos da ajuda de peritos competentes, mas também precisamos de apoio para as operações. Se não, é como ter vacinas e não poder chegar às crianças e vê-las morrer de doenças evitáveis pela vacinação. Nós precisamos de drones para levar os testes a outros pontos do país.”

África do Sul

Já a diretora regional da OMS no continente, Matshidiso Moeti lembrou que a propagação da doença está aumentando. E pede aos países africanos para investir em ações constantes de vigilância e tomar passos, rapidamente, para conter o surto e evitar que as instalações de saúde fiquem ainda mais sobrecarregadas.

A África do Sul reúne um quarto de todos os casos do continente e é o país mais afetado pela pandemia. As províncias de Cabo Ocidental e Cabo Oriental têm o maior número diário de mortes.

A chefe regional da agência contou que muitas nações adotaram as medidas corretas de lavagem de mãos, distanciamento social, testagem e rastreamento. 

Minusca/Biliaminou A. Alao
Banco Mundial tem na carteira um apoio de mais de US$ 160 bilhões para ajudar mais de 100 países protegerem os pobres e vulneráveis da Covid-19 .

Fronteiras e vacina

E com o apoio da OMS, vários países aumentaram a capacidade da força de trabalho e a testagem de passageiros em fronteiras e aeroportos.
Moeti explicou que a ordem de manter a população em casa e de fechar o comércio ajudou a conter a doença, mas também teve consequências sobre comunidades marginalizadas com pesados custos socioeconômicos.

O relaxamento de restrições, segundo a OMS, deve ser combinado com o aumento da capacidade de se realizar testes e outros mecanismos de proteção e prevenção.

A especialista afirmou que esses passos precisam de ser monitorados e atualizados com base nos dados e tendências da pandemia até que uma vacina ou tratamento esteja disponível a todos.

Tanto na África como em outras partes do mundo, as autoridades de saúde precisam assegurar o pleno funcionamento dos serviços básicos do setor.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Em Angola, campanha para prevenir Covid-19 quer chegar a 1 milhão de famílias rurais

Parceria entre governo, FAO e OMS promove saúde e tenta limitar impacto de medidas preventivas na subsistência; iniciativa visa manter agricultura familiar e cadeias de suprimento de alimentos em operação em tempos de pandemia.

Mais de 30 países africanos debatem “potencial turístico inegável” do continente

Encontro foi promovido pela Organização Mundial de Turismo, OMT; atividade pode impulsionar desenvolvimento inclusivo dos países africanos; países querem investir na inovação e reconstrução sustentável após Covid-19.