OMS: estudos devem informar impacto da transmissão assintomática da Covid-19 BR

OMS continuará atualizando suas diretivas sobre transmissão do vírus
Ocha/Gema Cortes
OMS continuará atualizando suas diretivas sobre transmissão do vírus

OMS: estudos devem informar impacto da transmissão assintomática da Covid-19

Saúde

Organização Mundial da Saúde teve que esclarecer afirmação de que transmissão por pessoas sem sintomas da doença eram “bem raras”; tema é determinante em medidas de saúde pública como uso obrigatório de máscaras; OMS lembra que vírus é novo e “ensina a cada dia”.

Pessoas assintomáticas podem transmitir Covid-19, mas é preciso esperar a conclusão de vários estudos para se perceber a extensão da transmissão nestes casos.

A informação é do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, Tedros Ghrebreyesus. Segundo ele, com o novo coronavírus  “todos estão aprendendo o tempo inteiro.”

Ciência

Tedros contou que “não é fácil comunicar ciência complexa em tempo real sobre um novo vírus, mas isso faz parte do dever da OMS”. Na segunda-feira, a agência havia informado que as transmissões da Covid-19 por pessoas assintomáticas eram "bem raras”. Menos de 24 horas pois, a OMS esclareceu os comentários rechaçados por vários cientistas que pesquisam o vírus.

O chefe da agência disse que acolhe “um debate construtivo” sobre o tema, e que “é assim que a ciência avança.” Também por isso, os conselhos da OMS continuarão evoluindo à medida que novas informações estiverem disponíveis. 

Acompanhamento

Tedros afirmou que os especialistas da agência continuarão trabalhando para aprender mais sobre como a doença é transmitida, além do desenvolvimento de novos tratamentos e vacinas.

Segundo ele, a agência será transparente “sobre o que se sabe e onde existem lacunas e como isso está moldando” suas diretivas.  

Por enquanto, a agência afirma que “descobrir, isolar e testar pessoas com sintomas e rastrear e colocar em quarentena seus contatos é a maneira mais crítica de se interromper a transmissão da Covid-19."

Até esta quarta-feira, tinham sido confirmados mais de 7,1 milhão de casos de Covid-19 em todo o mundo. Mais de 408 mil pessoas tinham perdido a vida.