Brasileira e indiana recebem prêmio da ONU sobre igualdade de gênero
BR

25 maio 2020

Comandante Carla Monteiro de Castro Araújo, da Marinha do Brasil, serve na Missão de Paz na República Centro-Africana, Minusca; já major Suman Gawani foi boina-azul no Sudão do Sul.

As Nações Unidas anunciaram, nesta segunda-feira, que a comandante brasileira Carla Monteiro de Castro Araújo é a vencedora do Prêmio Defensora Militar da Igualdade de Gênero da ONU. Ela serve na Missão de Paz na República Centro-Africana.
 
O Prêmio, criado em 2016, reconhece a dedicação e esforço de boinas-azuis na promoção dos princípios da Resolução 1325 do Conselho de Segurança sobre Mulheres, Paz e Segurança.

Internet

 
A outra agraciada com a distinção foi a militar Suman Gawani, da Índia, que foi boina-azul na Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul, Unmiss.
 
Ambas foram nomeadas pelos comandantes militares das Missões de Paz. Esta será a primeira vez que o prêmio será concedido a duas militares.
 
Comandante brasileira Carla Monteiro de Castro Araújo.
Comandante brasileira Carla Monteiro de Castro Araújo
Elas receberão o prêmio numa cerimônia na internet presidida pelo secretário-geral António Guterres, em 29 de maio, no Dia Internacional dos Boinas-Azuis.

Frutos

 
A militar brasileira disse que o prêmio é um reconhecimento do trabalho de equipe da Minusca. Ela afirmou que é gratificante ver o trabalho render frutos.
 
Já a major Gawani acredita que a promoção da igualdade de gênero é um dever de qualquer boina-azul independentemente da posição ou patente.
 
A militar brasileira Carla Monteiro de Castro Araújo serve como conselheira de gênero e proteção da Minusca desde abril de 2019.
 
Ela ajudou a fazer um treinamento sobre todos os aspectos de proteção e de gênero. A iniciativa aumentou o número de pontos focais na Minusca na promoção de gênero. A ação levou a mais patrulhamentos nas comunidades passando de 574 para 3 mil.

Violência sexual

 
A major Gawani ajudou a treinar outras boinas-azuis em iniciativas e um plano de ação de combate à violência sexual relacionada a conflitos.
 
O secretário-geral, António Guterres, elogiou o exemplo de ambas as militares dizendo que através do trabalho desempenhado, elas ajudaram a criar confiança
entre as comunidades servidas pelas Missões. E que esse trabalho nunca foi tão importante e necessário.
 
Este é o segundo ano consecutivo em que o Prêmio sobre igualdade de gênero é concedido a uma boina-azul brasileira, e a primeira vez que é destinado a uma militar da Índia.

Mulheres

 
A comandante Monteiro de Castro Araújo entrou para a Marinha do Brasil em 1997. Por mais de cinco anos, ela serviu à Unidade Médica expedicionária. Ela se formou em 2012 na Escola Militar.
 

A ONU busca aumentar o número de mulheres militares nas missões de paz. Apenas 6,4% dos 85 mil boinas-azuis uniformizador são mulheres.

ONU

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud