Brasileiro, chefe da OMC, renuncia ao posto BR

Roberto Azevêdo ocupava o cargo desde 2013 e devia sair apenas em 2021
OMC
Roberto Azevêdo ocupava o cargo desde 2013 e devia sair apenas em 2021

Brasileiro, chefe da OMC, renuncia ao posto

Assuntos da ONU

Embaixador Roberto Azevêdo informou que deixará cargo em 31 de agosto, um ano antes do término do segundo mandato; eleição ocorreu em 2013.

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, Roberto Azevêdo, renunciou ao posto nesta quinta-feira.

Numa teleconferência, o embaixador brasileiro disse que sairá do cargo em 31 de agosto.

Okonjo-Iweala disse que uma das prioridades é lidar com as consequências da pandemia de Covid-19
Relatório indica que o comércio global sofreu uma queda de 3% por causa do novo coronavírus, MSC shipping

Carreira

Azevêdo assumiu a chefia da agência em 2013 e foi reeleito para um segundo mandato que expiraria no próximo ano. Ele lamentou o fato de a notícia ter vazado para a imprensa antes que ele mesmo pudesse fazer o anúncio.

Azevêdo contou que a decisão é fruto de bastante reflexão, mas que não foi tomada facilmente. Ele afirmou que não renuncia por motivos de saúde ou políticos.

O embaixador disse preferir adiantar a sucessão em um ano para que a agência seja gerida com base numa realidade pós-covid 19, ao se referir a mudanças causadas pela pandemia.

Especialista em comércio exterior, Azevêdo disse que a OMC obteve conquistas importantes durante seu mandato como o Acordo de Facilitação do Comércio. Ele agradeceu à equipe e a todos os funcionários da agência.

Mas para o diretor-geral, muito ainda precisa ser feito como o estabelecimento de objetivos ousados para
a próxima Reunião Ministerial, MC12, marcada para 2021.