Guterres alerta para efeitos psicológicos da pandemia
BR

14 maio 2020

Em relatório, secretário-geral ressalta necessidade de ação e serviços para tratar depressão e ansiedade; para ele, cuidados mentais devem integrar cobertura universal de saúde.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, publicou na quinta-feira um relatório destacando a necessidade de ação para proteger a saúde mental das pessoas durante a pandemia de covid-19. 

Para o chefe da ONU, o novo coronavírus “não está apenas a atacar a saúde física, também está a aumentar o sofrimento psicológico.”

Consequências

António Guterres lembrou as várias formas como a doença afeta o bem-estar dos cidadãos, como luto pela perda de entes queridos, choque com a perda de emprego, isolamento e restrições à circulação, dinâmicas familiares difíceis, incerteza e medo do futuro. 

Para ele, “problemas de saúde mental, incluindo depressão e ansiedade, são algumas das maiores causas de miséria no nosso mundo.”

O secretário-geral lembrou depois o seu percurso, dizendo que contatou de perto com médicos e psiquiatras que tratam estas condições ao longo de toda a sua vida.

Como ex-primeiro-ministro de Portugal, e como ex-alto-comissário para os Refugiados, conheceu de perto o sofrimento que causam. Ele diz que “esse sofrimento é frequentemente exacerbado pelo estigma e pela discriminação, o que é absolutamente inaceitável.”

Serviços

Guterres disse que “após décadas de negligência e de investimento insuficiente em serviços de saúde mental, a pandemia está a atingir famílias e comunidades com um estress mental adicional.”

Profissionais de saúde, idosos, adolescentes e jovens, pessoas com condições de saúde mental pré-existentes e todos os que vivem em situações de conflito e de crise estão sob maior risco. Guterres diz que a comunidade internacional deve “ajudá-los e apoiá-los.”

Segundo ele, mesmo quando a pandemia estiver controlada, a dor, a ansiedade e a depressão continuarão afetando pessoas e comunidades. Por isso, as Nações Unidas lançaram um novo resumo de políticas sobre o tema. 

O documento afirma que os serviços de saúde mental devem ser uma parte essencial de todas as respostas, sendo expandidos e totalmente financiados. Além disso, os confinamentos e quarentenas não devem discriminar aqueles que têm este tipo de problemas.

Resposta

À medida que o mundo se recupera da pandemia, também é necessário prestar mais serviços de saúde mental e garantir que esses cuidados sejam incluídos na cobertura universal de saúde.

O secretário-geral afirma que “as Nações Unidas estão fortemente comprometidas em criar um mundo em que todos, em qualquer lugar, tenham alguém a quem recorrer para ter apoio psicológico.”

Guterres apela aos governos, à sociedade civil, às autoridades de saúde e a outros que reúnam, com urgência, para abordar esta dimensão da pandemia.

Para o chefe das Nações Unidas, os governos têm uma oportunidade para anunciar “compromissos ambiciosos” durante a Assembleia Mundial da Saúde, que começa na próxima segunda-feira, 18 de maio. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud