Usuários de tabaco correm mais riscos com novo coronavírus, diz OMS BR

Uso do tabaco torna sintomas de doenças respiratórias mais graves
OMS
Uso do tabaco torna sintomas de doenças respiratórias mais graves

Usuários de tabaco correm mais riscos com novo coronavírus, diz OMS

Saúde

Produto mata 8 milhões de pessoas por ano no mundo; mais de 7 milhões são consumidores diretos, o resto dos óbitos é de fumantes passivos.

A Organização Mundial da Saúde revela num estudo que usuários de tabaco e fumantes têm mais chances de contrair coronavírus de forma severa e até de morte.

Na pesquisa, divulgada no fim de abril, a agência sugere que a pandemia afeta fumantes mais fortemente do que os que não fumam.

Pulmões

O tabaco mata mais de 7 milhões de usuários por ano. E cerca de 1,2 milhão de fumantes passivos perdem a vida por causa do produto. 

O novo coronavírus ataca principalmente os pulmões. 

E o fumo que afeta as funções pulmonares dificulta o corpo a combater o vírus. O tabaco também é o principal fator de risco para doenças crônicas como diabetes, doenças coronárias, câncer e outras enfermidades. 

Ligação 

A OMS informou que está constantemente avaliando novos estudos para examinar a ligação entre o uso de tabaco e nicotina com a covid-19. 

A agência pediu a pesquisadores, cientistas e jornalistas cautela ao reproduzirem notícias infundadas de que tabaco e nicotina poderiam reduzir o risco do novo coronavírus. 

A OMS lembra que existem terapias comprovadas para parar de fumar. E quem em somente 20 minutos sem tabaco, o fumante pode perceber queda na pressão arterial e batidas elevadas do coração. Cerca de 12 horas após, os níveis de monóxido de carbono na corrente sanguínea voltam ao normal. 

Falta de ar

A partir de um mês, o ex-fumante percebe melhoras na respiração e menos sensação de falta de ar.

A OMS alerta para que usuários de tabaco se orientem por informações científicas relacionadas ao covid-19 sobre complicações para pacientes que fumam.