Agência atômica emite novas diretrizes na luta contra chikungunha, dengue, febre amarela e zika
BR

1 maio 2020

Doenças transmitidas por mosquitos têm consequências à saúde e à economia; insetos estão cada vez mais resistentes a dedetizadores; muitos governos analisam técnicas nucleares para controlar epidemias. 

A Agência Internacional de Energia Atômica, Aiea, divulgou uma série de diretrizes globais para combater doenças causadas pelo mosquito aedes.

A lista incluí infecções como chikungunha, febre amarela, zika e dengue. Juntas essas doenças causam mais de 1 milhão de mortes por ano. O Brasil é um dos participantes da iniciativa como divulgado no comunicado da Aiea. Em 2015, o país enfrentou um surto de zika ao lado de outras nações latino-americanas. 

O mosquito aedes aegypti transmite doenças como chikungunya, dengue e zika. Foto: Kate Mayberry/Irin

Inseticidas 

A iniciativa é resultado de uma parceria da Aiea com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, a Organização Mundial da Saúde, OMS, e outros parceiros. 

A Aiea lembra que os mosquitos, que transmitem as doenças, estão cada vez mais resistentes a inseticidas. Por isso, muitos governos decidiram optar por técnicas nucleares para combater o problema. 

As infecções têm consequências para a saúde das pessoas afetadas e para a economia dos países. 

A iniciativa conta com o apoio do Programa Especial para Treinamento e Pesquisa de Doenças Tropicais e do Quadro de Diretrizes para Teste da Técnica do Inseto Estéril. A técnica SIT é uma ferramenta de controle do vetor contra doenças causadas pelo mosquito aedes.

Opas/OMS
A Aiea lembra que os mosquitos, que transmitem as doenças, estão cada vez mais resistentes a inseticidas

Reprodução 

As diretrizes foram produzidas por 15 especialistas de 12 países. A Técnica do Inseto Estéril é um método contraceptivo que esteriliza os mosquitos machos impedindo a reprodução de outros insetos.

Pragas 

A esterilização é feita por uma técnica de radiação. Com o tempo ocorrem a redução no número de mosquitos e também as infecções transmitidas por eles. 

A técnica foi criada incialmente para controlar pragas no setor agrícola como a mosca tsé-tsé e a mosca da fruta. 

A chefe do Programa de Gerenciamento da Aiea para América Latina e Caribe, Patricia Godoy-Kain disse que o guia da agência harmoniza a técnica e a aplicação em países que participam da Aiea e querem reduzir as infecções. 

Foto: Aiea
O mosquito aedes aegypti transmite doenças como chikungunya, dengue e zika.

Comunidades 

Cerca de 60 países já utilizam a Técnica do Isento Estéril adaptada agora aos mosquitos aedes.

O guia inclui diretrizes e recomendações sobre a introdução da técnica nuclear num projeto piloto. Formas de aumentar ações, de analisar riscos e o conjunto regulatório assim como tópicos técnicos e indicadores entomológicos e epidemiológicos. 

As diretrizes também tratam da participação das comunidades, monitoramento e avaliação.
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Brasileiro explica uso de radiação para esterilizar mosquito da dengue

Especialista em insetos, o brasileiro Danilo Carvalho explica a nova técnica que esteriliza mosquitos usando a radiação. O teste da iniciativa já teve aprovação da Organização Mundial da Saúde, OMS, e será aplicada em nível global.

Brasil aplicará técnica que esteriliza mosquito da dengue em 2020

Liberação de insetos que não podem se multiplicar já foi ensaiada em várias áreas do país; Cabo Verde também revelou interesse em implementar iniciativa da Aiea, FAO e OMS.