Turma da Mônica e Opas juntam-se para incentivar vacinação nas Américas
BR

29 abril 2020

Parceria incentiva maior número de pessoas a participarem da Semana de Imunização nas Américas, que termina em 2 de maio sob o tema “Ame, Confie e Proteja. #TomeaVacina”.

A Organização Pan-Americana da Saúde afirma que os serviços de imunização nos países da América Latina e do Caribe devem continuar ao mesmo tempo em que se mantém os cuidados contra a pandemia. 

Para realizar a campanha, a agência conta com a ajuda da Turma do Mônica, do cartunista Maurício de Sousa.

Influenza

O objetivo é proteger agentes de saúde e comunidades e evitar surtos de doenças que podem ser prevenidas por vacinação. 

Muitos países da região estão imunizando suas populações contra a gripe do tipo influenza para evitar complicações respiratórias graves. A campanha de vacinação contra o sarampo pretende proteger crianças da doença. 

Uma série de pôsteres e material em português e espanhol serão distribuídos pelos países que participam da Opas. A Turma da Mônica junta-se a outros artistas e celebridades incluindo o atleta jamaicano, Usain Bolt, o futebolista uruguaio, Edinson Cavani, além de alguns personagens do programa infantil Vila Sésamo. 

Resposta 

O cartunista Mauricio de Sousa afirma que a campanha ajudará a salvar vidas e proteger contra a doença. 
Sousa é o criador de mais de 300 personagens em quadrinhos. 

A Semana de Vacinação nas Américas começou em 2003 após um surto de sarampo em vários países que exigiu uma resposta coordenada. Mais de 806 milhões de pessoas foram imunizadas como parte da campanha.
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Começa Semana Mundial de Imunização 

Cerca de 116 milhões de crianças receberam três doses da vacina contra difteria, tétano e coqueluche; OMS alerta que apesar de avanços, metas de eliminação de doenças como sarampo, rubéola e tétano podem não ser atingidas este ano.