Chefe da ONU diz que mundo tem “oportunidade rara” e aponta seis ações climáticas para recuperação
BR

28 abril 2020

Secretário-geral participou na conferência Diálogo Petersberg sobre o clima, que reúne 30 países; António Guterres afirmou que pandemia de covid-19 “expôs a fragilidade de sociedades e economias a choques e desigualdades profundas.”

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou que o mundo tem “uma janela de oportunidade rara e curta” para reconstruir após a pandemia de covid-19 e destacou seis ações de combate à mudança climática.

O chefe das Nações Unidas participou esta terça-feira, por videoconferência, no Diálogo Petersberg sobre o clima, um encontro de dois dias organizado pela Alemanha e o Reino Unido que reúne ministros de 30 países. 

Clima e covid-19

António Guterres disse que a pandemia “expôs a fragilidade de sociedades e economias a choques e desigualdades profundas que ameaçam a conquista dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.”

Para ele, “a única resposta é uma liderança corajosa, visionária e colaborativa.” O mesmo tipo de liderança que é necessária para combater a mudança climática.

Lembrando que o 2019 foi o segundo ano mais quente já registrado, e parte da década mais quente da história, Guterres afirmou que os custos aumentarão a cada ano. 

Vontade política

O secretário-geral afirmou que “ainda falta a vontade política necessária” para atuar.

Enquanto os líderes mundiais planeiam a recuperação da pandemia, ele disse que existe a oportunidade de escolher “um caminho mais sustentável e inclusivo, que lida com as mudanças climáticas, protege o meio ambiente, reverte a perda de biodiversidade e garante saúde e segurança a longo prazo da humanidade.”

Para conseguir esse objetivo, António Guterres propôs seis ações que devem orientar a recuperação.

Primeiro, o investimento realizado pelos países deve ser usado para novos empregos e negócios da economia verde, acelerando a descarbonização de todos os aspectos da economia.

Em segundo lugar, o dinheiro dos contribuintes usado para resgatar empresas deve criar empregos verdes e crescimento sustentável e inclusivo. Guterres afirmou que esses fundos não devem servir para “salvar indústrias ultrapassadas e poluentes.”

Impostos

Terceiro, os impostos devem facilitar a transição para uma economia verde, tornando as sociedades e as pessoas mais resilientes e sem deixar ninguém para trás.

Em quarto lugar, os subsídios devem ser dedicados a setores e projetos sustentáveis. Os apoios a combustíveis fósseis devem terminar e as emissões de carbono devem ter um preço.

Em quinto lugar, o sistema financeiro global deve levar em consideração os riscos e oportunidades relacionados ao clima. Guterres disse que “os investidores não podem continuar ignorando o preço que o planeta paga por um crescimento que não é sustentável.”

Por fim, em sexto lugar, o mundo precisa trabalhar junto como uma comunidade internacional. Segundo Guterres, “o isolamento é uma armadilha, nenhum país pode ter sucesso sozinho.”

Vontade política

Por fim, Guterres pediu que todos os países preparem planos nacionais para atingir a neutralidade de carbono até 2050. Até o momento, 121 países assumiram esse compromisso. A União Europeia, por exemplo, quer promover o primeiro continente neutro até 2050.

O chefe da ONU afirmou, no entanto, que “a chave para enfrentar a crise climática são os grandes emissores.” Coletivamente, os países do G20 representam mais de 80% das emissões globais. 

Guterres lembrou que “o Acordo de Paris foi possível, em grande parte, graças ao envolvimento dos Estados Unidos e da China”.  Segundo ele, sem a contribuição dos grandes emissores, “todos os esforços estarão condenados.”

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Aquecimento do planeta tem tendência a aumentar, alerta ONU

Relatório Clima Global 2015-2019 expõe dificuldades em lidar com riscos climáticos e relacionados à água; OMM recomenda pacotes de estímulo pós covid-19 que apoiem crescimento de economias de forma mais ecológica.