FMI aprova linha de US$ 12 milhões para São Tomé e Príncipe enfrentar pandemia
BR

27 abril 2020

Ajuda de emergência quer remediar perdas para economia do país de língua portuguesa causadas pela covid-19; órgão também promoverá alívio temporário da dívida como parte de Fundo de Contenção de Catástrofe.

O Fundo Monetário Internacional, FMI, aprovou uma verba de US$ 12 milhões para São Tomé e Príncipe, no oeste da África.

O país, que fala português, sofre uma de suas piores crises econômicas recentes por causa da pandemia do novo coronavírus. 

Plano

Em comunicado, o FMI informou que o governo são-tomense agiu rapidamente ao aprovar um plano de contingência declarando estado de emergência para mitigar a contaminação. 

Com a verba, o FMI espera que o governo lide com as urgências fiscais e externas causadas pela covid-19. 

Uma das áreas mais afetadas pela pandemia é o turismo de São Tomé e Príncipe. Projetos financiados pelo exterior foram suspensos assim com as cadeias de fornecimento ao país.

Sistema de saúde 

A pandemia também pôs sob pressão o frágil sistema de saúde da nação africana. 

Com a situação agravada, o FMI decidiu aliviar a dívida são-tomense como parte do Fundo de Contenção de Catástrofe e Alívio. Essa medida deve durar seis meses, mas pode ser renovada em até dois anos. 

O governo de São Tomé e Príncipe informou que planeja melhorar a infraestrutura de saúde e assistência social aos mais carentes durante a pandemia incluindo os desempregados e a iniciativa privada para reter os trabalhadores.

O FMI espera que as medidas suavizem o impacto da covid-19 sobre o arquipélago de língua portuguesa. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Banco Mundial apoiará 100 países em desenvolvimento a enfrentar pandemia de coronavírus

Programas de apoio serão implementados até o fim de abril; anúncio foi feito pelo presidente da instituição, David Malpass, que também celebrou a suspensão temporária do pagamento das dívidas pelos países mais pobres do mundo para ajudar a combater covid-19.