Força-tarefa destaca papel de líderes religiosos contra covid-19, pedindo que ajudem a informar população 
BR

18 abril 2020

Especialistas da ONU lembram papel de organizações religiosas em “momento de agitação, tristeza e angústia”; em nota, pedem que líderes usem sua influência e autoridade para apoiar assistência humanitária e reforçar apelo do secretário-geral por um cessar-fogo global durante pandemia.

Especialistas da ONU pediram este sábado que líderes religiosos continuem fortemente engajados com seus constituintes durante a crise da covid-19, ajudando na resposta partilhando informação e fatos de acordo com as orientações da Organização Mundial da Saúde, OMS.

A nota foi publicada pelos líderes da Força-Tarefa Interinstitucional da ONU sobre Religião e Desenvolvimento Sustentável e do Conselho Ecumênico das Nações Unidas.

Crise

Segundo os especialistas, “neste momento de agitação, tristeza e angústia, líderes e organizações religiosas desempenham um papel único em aproximar as pessoas de valores comuns da humanidade, como solidariedade e compaixão.”

Para eles, “a solidariedade e a compaixão devem ser promovidas tanto dentro como entre as comunidades de fé diferentes.”

Minorias

Os especialistas mostram “profunda preocupação com os enormes desafios que a situação apresenta aos mais vulneráveis do mundo.”

A nota destaca idosos, refugiados e migrantes, pessoas que vivem em zonas de conflito, pessoas com deficiência, jovens e minorias religiosas. Também lembra mulheres e crianças em risco de violência doméstica e grupos que enfrentam discriminação e estigmatização.

Segundo eles, unidade, solidariedade e cooperação internacional são essenciais para enfrentar a pandemia e não deixar ninguém para trás. Os especialistas dizem estar disponíveis para ajudar a enfrentar estigma, discurso e crimes de ódio, xenofobia, racismo e todas as outras formas de discriminação.

Apelo

Os membros pedem que os líderes usem suas esferas de influência e autoridade para ajudar operações de assistência humanitária nos locais mais difíceis. Também devem manifestar seu apoio ao apelo do secretário-geral, António Guterres, por um cessar-fogo global imediato, que permita que trabalhadores humanitários continuem trabalhando.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud