FAO tenta conter praga do gafanhoto do deserto na África apesar de pandemia
BR

13 abril 2020

Organização para Alimentação e Agricultura diz que restrição de movimentos e equipamentos dificulta ação no leste do continente, afetado pelas densas nuvens de gafanhoto; situação ainda é alarmante no Quênia, Etiópia e Somália. 

Uma ameaça sem precedentes à segurança alimentar no leste da África está sendo agravada pela pandemia do novo coronavírus.

O alerta é da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO. 

FAO quer aumentar as operações intensivas de controle dos gafanhotos do deserto. Foto: FAO/Carl de Souza

20 milhões 

Segundo a agência, o combate à praga de gafanhotos do deserto, que afeta o leste da África há vários meses está encontrando muitos obstáculos por causa das restrições impostas contra a contaminação com a covid-19.

Cerca de 20 milhões de pessoas na região já enfrentam insegurança alimentar aguda. A situação é alarmante principalmente no Quênia, na Etiópia e na Somália. Mas Sudão do Sul, Uganda e Tanzânia também atravessam o problema com as densas nuvens de gafanhotos que arrasam plantações inteiras.

Foto: FAO/Yasuyoshi Chiba
Gafanhotos podem afetar a segurança alimentar de milhões de pessoas.

Iêmen

Uma outra preocupação da FAO são os 15 milhões de pessoas no Iêmen que estão sofrendo com a praga. A estação de chuvas do mês de março e das próximas semanas levou a um aumento na reprodução dos gafanhotos do deserto. No Irã, uma nova geração dos insetos está surgindo.

Apesar de queda no número de pessoal para combater a praga por causa da covid-19, a agência da ONU continua a atuar com governos, agricultores e produtores para conter as nuvens. 

FAO/G.Tortoli
As fêmeas dos gafanhotos do deserto podem colocar até 300 ovos durante a vida.

Pulverização 

A FAO informou que tem realizado operações aéreas de vigilância para identificar as áreas mais afetadas. Um dos recursos utilizados é a dedetização que está sendo conduzida em 10 países. 

Até o momento, mais de 240 mil hectares já foram tratados com pesticidas e 740 pessoas treinadas para a pulverização. 

Mas a agência encontra dificuldades no fornecimento dos produtos por causa do fechamento dos mercados após a pandemia. 

Por isso, a FAO decidiu investir na coleta de dados, remotamente, e na sua rede de parceiros e sociedade civil especialmente na Etiópia, no Quénia, no Sudão do Sul e na Somália. 

FAO/Yasuyoshi Chiba
Uma pequena nuvem de gafanhotos pode comer a mesma quantidade de alimentos consumidos em um dia por cerca de 35 mil pessoas.

Apelo

A praga do gafanhoto do deserto é uma das pestes migratórias mais destrutivas do mundo. E segundo a FAO, a quantidade de gafanhotos pode subir até 20 vezes por causa da estação de chuvas, se nenhuma providência for tomada. 

Para isso, a agência aumentou o apelo de combate para US$ 153, 2 milhões. 
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Gafanhotos do deserto podem ameaçar colheitas entre maio e junho, diz ONU 

Programa Mundial de Alimentos, PMA, alertou para densas nuvens recentes no leste da África: Quênia, Etiópia e Somália são os países mais afetados. 

“Está na hora de agir”, alertam agências da ONU sobre praga de gafanhotos 

Comunicado destaca risco de se pagar 15 vezes mais do que seria investido agora com danos; agências humanitárias conseguiram somente 23% dos US$ 138 milhões necessários para lidar com a situação.