Quase 100 dias após anúncio da covid-19, mundo tem mais de 74 mil mortes
BR

8 abril 2020

Cidade chinesa onde vírus foi detectado pela primeira vez levanta medidas de restrição de movimentos; OMS continua preocupada com falta de equipamentos de proteção em várias partes do mundo; na África, infecção está crescendo exponencialmente nas últimas semanas.

Quase 100 dias depois de ter sido descoberto o novo coronavírus, a cidade chinesa de Wuhan, onde a covid-19 foi identificada pela primeira vez, começou a reduzir as medidas de restrição de movimentos da sua população. Foi em janeiro que a Organização Mundial da Saúde,  OMS, foi notificada dos primeiros casos de "pneumonia com causa desconhecida" na China.

A partir desta quarta-feira, os moradores podem sair da cidade e outras pessoas podem entrar. Mas outras medidas de isolamento social continuam ativas devido ao número de pessoas que não apresentam sintomas, mas estão infetadas com o vírus. 

Proteção

Até esta quarta-feira, o vírus já tinha infetado cerca de 1,3 milhão de pessoas em mais de 200 países e territórios. Cerca de 74,3 mil pessoas tinham perdido a vida em todo o mundo.

Falando a jornalistas, em Genebra, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, Tedros Ghebreyesus, disse que continua preocupado com a falta de equipamentos de proteção médicos.

A agência publicou novas orientações sobre o uso de máscaras médicas pela população em geral, mas Ghebreyesus avisou que este recurso apenas é eficaz com um pacote complete de intervenções.

Dede o início do surto, a OMS já enviou mais de 900 mil máscaras cirúrgicas, 62 mil máscaras N95, 1 milhão de luvas, 115 batas médicas, 17 mil óculos de proteção e 34 mil proteções faciais para 133 países. A agência também enviou kits de testes para 126 países.

África

África vê aumentar o número de casos confirmados para mais de 10 mil. O número de mortes chegou a mais de 500. Enquanto o vírus demorou a chegar ao continente, a infecção está crescendo exponencialmente nas últimas semanas.

O primeiro caso da covid-19 da África foi registrado no Egito em 14 de fevereiro. Desde então, 52 países notificaram casos. Inicialmente, o vírus estava apenas nas capitais, mas um número significativo de países está agora relatando casos em várias províncias.

Desenho feito por um paciente da covid-19 em um hospital de Wuhan, na China, Huachao Sang

A diretora regional para a África da OMS, Matshidiso Moeti, disse que “a covid-19 pode provocar milhares de mortes, mas também causar devastação econômica e social.” Para ela, “a expansão para além das grandes cidades significa a abertura de uma nova frente na luta contra o vírus.”

Ásia

A nova pandemia também está tendo consequências econômicas e sociais na região da Ásia-Pacífico, informou esta quarta-feira a Comissão Económica e Social para a Ásia e o Pacífico, Escap.

Um novo relatório sublinha que a crise representa um “risco imediato para as perspectivas econômicas da região, aprofundando a desaceleração econômica que já estava em andamento.” A pesquisa destaca “incertezas significativas” sobre as consequências da pandemia, mas considera “provável que os impactos negativos sejam substanciais.”

A Escap aconselha que, em seus programas de estímulo econômico, os países em desenvolvimento da Ásia-Pacífico devem aumentar os gastos em saúde em US$ 880 milhões por ano. A pesquisa também pede que seja criado um fundo regional para responder a futuras emergências de saúde.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Chegada de covid-19 em São Tomé e Príncipe é destaque em informe da OMS

Autoridades são-tomenses anunciaram quatro primeiros casos da doença; governo implementa a partir de quarta-feira medidas mais fortes de restrição depois de duas semanas de estado de emergência.